Abismo Anhumas – O lugar mais incrível que já visitei

postado por Marcelle Ribeiroe atualizado em: 06/02/2020

O lugar mais fantástico a que eu já fui no Brasil foi a um abismo em Bonito, Mato Grosso do Sul. E foi um dos mais incríveis do mundo! Sim, foi mais legal que ir à Torre Eiffel, que ver o azul lindíssimo do mar de Aruba ou que ver os lindos palácios da Inglaterra. Por isso, se você tem disposição para encarar uma boa dose de exercício físico, não tem medo de aventura e gosta de natureza, não deixe de visitar o Abismo Anhumas, em Bonito.

Antes de pensar em ir ao Abismo de Anhumas, tenho que fazer uns alertas para vocês. Primeiro: você tem que ter braço e perna para descer e subir, com seu próprio esforço físico, cerca de 70 metros de altura de rapel (70 metros de descida + 70 metros de subida).

Segundo: o passeio é caro. Aí você me pergunta: vale a pena o investimento? E eu te digo: vale. Dificilmente você vai ter, em outro lugar, uma experiência como Anhumas vai te dar.

Começa assim: no dia anterior ao passeio, o pessoal da agência vai te levar para o “escritório” deles para você fazer um teste/treinamento. Você vai ter que treinar fazer rapel num galpão, numa plataforma com 7 metros de altura. É para você ir aprendendo e eles observarem você. Passou no teste/treinamento? Beleza.

No dia do passeio, você vai até a fazenda onde fica o abismo. Vocês andam um pouco e de repente, você chega a uma fendinha na terra, com uma passagem pequena, por onde os caras montam uma estrutura de rapel. Aí você olha o buraco na terra e pensa: cacildes, será que cabe o meu corpo aí, como é vou descer? E, com medo, eu desci na corda, junto com outro turista. Descem sempre de dois em dois. Dá um medo… É que o início do abismo é meio apertado, mas em 3 segundos melhora.

Daí você olha lá para baixo e vê uma enormidade de estalactites e de repente a fenda apertadinha vira uma caverna enorme, ampla, com água lá embaixo. Dá vontade de gritar, mas não pode, porque o som pode prejudicar as estalactites. Calma, lá na água tem um instrutor segurando a sua corda, te dando segurança. E se você cair (nunca soube de ninguém caindo), cai na água.

anhumas001

Estalagmites e estactites no Abismo Anhumas. Foto: Marcelle Ribeiro

Desceu os 70 metros de rapel no braço? Pise na plataforma montada no nível da água e coloque uma roupa de neoprene que já estará esperando você lá embaixo. Depois, o grupo faz a flutuação na água da gruta. Ali, a profundidade chega a 80 m. Com um guia, os turistas vão flutuando na água tranquila com lanternas, para ver os enormes cones de pedra dentro d’água, que chegam a ter 17 metros de altura.

anhumas002

Preparados para a flutuação. Foto: Marcelle Ribeiro

Depois da flutuação, ainda tem um passeiozinho de bote lá dentro, para ver outras partes da gruta. Curtiu? Eu amei. Mas como nem tudo é doce nessa vida, agora você terá que subir aqueles mesmos 70 metros de altura de rapel, no braço! Ufa, cansei só de lembrar. Mas é tão legal, tão legal, que eu, sete anos depois, me lembro de cada sensação. E até hoje faço uma propaganda enorme para os meus amigos ecoturistas conhecerem.

anhumas003

Subindo tudo “no braço”

Ah, sim, para os amigos mergulhadores: para fazer mergulho de cilindro lá, só tendo certificado de mergulho em caverna (pelo menos era assim quando eu fui).

Esse é um passeio de meio dia de duração. Você pode fazer ele numa parte do dia e fazer outro na outra parte do dia. Meu conselho: programe uma coisa bem leve.

Para os que ficaram com vontade de fazer mas são meio sedentários como eu: tenho quase certeza que na época que fiz o passeio eu não estava malhando. Tinha 23 anos, e encarei na cara e na coragem.

Outra coisa: prepare-se psicologicamente para as fotos que tirar lá não ficarem sensacionais. É bem difícil fazer boas fotos lá. Até hoje ainda não encontrei fotos (nem minhas nem dos outros) que mostrem a exata beleza e magia de Anhumas. Neste site aqui tem umas fotos bonitas de lá.

Leia também:

Comentários

  1. 25 ago 2011

    Adoreeei esse post. Espero mais, sobre Bonito :*

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *