Bares do Rio de Janeiro: Os melhores bolinhos

postado por Marcelle Ribeiro e atualizado em: 17/02/2016
Compartilhar este artigo:

Existe uma guerra no Rio de Janeiro e ela não é travada nas favelas, mas sim nos botequins: a disputa por quem tem o melhor bolinho. Pode ser de feijoada, de camarão, de bacalhau, de aipim. Fato é que a disputa entre bares e botecos fica cada dia mais acirrada, ainda mais em um dos bairros com alta concentração de boa gastronomia, o Leblon. E eu e o maridão, profundos apaixonados por quitutes saborosos, fritinhos, redondinhos e recheados, temos nos empenhado (nossa, que sacrifício! hehehehe) em conhecer cada um dos concorrentes do troféu.

Os amigos da zona norte vão brigar comigo, porque ainda não fomos conhecer os bolinhos da região. Mas aproveitamos que um boteco famoso de lá abriu uma espécie de “sucursal” na zona sul e fomos provar. Só que antes de falar desse bar que “atravessou o Túnel Rebouças”, quero escrever aqui sobre o nosso boteco preferido quando o assunto é bolinho. É o tradicional Bracarense. O “Braca” (para os que batem ponto lá), no coração do Leblon, tem o melhor bolinho que já comi na vida: o de feijoada.

Eu passei anos achando estranho comer feijoada em forma de bolinho, até ir no Bracarense. Casquinha de farinha, massa de feijoada e recheio de pedacinhos pequenos de carne e couve. Nossa, salivei no teclado. É dos deuses.

Procurando hotel? O Booking tem opções para todos os bolsos. Reserve por esse link, que tem o meu código, e ajude o blog.

Eu conheci o Bracarense uns 200 anos atrás, mas a primeira vez me traumatizou: ficamos em pé um tempão, sem nem um lugar pra apoiar o copo. E toda vez que me chamavam pra ir lá eu pensava: putz, em pé, nem pensar. Daí a minha mãe me disse que eles haviam colocado mais mesinhas na calçada. E eu fui lá com o maridão e uma amiga, na saída da praia, umas 15h de um domingão. A ideia era só conhecer o bar, comer um bolinho, tomar um chope e ir almoçar em casa. Acabamos almoçando petiscos. E sentadinhos, sem ter que esperar nem 5 minutos por uma mesinha (o boteco tem umas 10 ou 12 mesinhas para quatro pessoas).

Os petiscos não são exatamente baratos, aviso logo. Se não me falha a memória, cada bolinho custou cerca de R$ 5 ou R$ 6. Comi o de feijoada e outros que não me lembro mais. Voltei depois para levar um amigo paulista, à noite, e após uma rodada de bolinhos, atacamos deliciosos sandubas de linguiça e carne com queijo. Opa, salivei de novo ;).

 

DESCONTO DE 5% no Esquenta Black Friday para aluguel de carro na Rentcars, com o cupom NOVEMBER. Vale até 30/11, com retirada do carro até 31/12! Compare preços de várias locadoras!
Bolinho de feijoada do Bracarense. Foto: Marcelle Ribeiro

Bolinho de feijoada do Bracarense. Foto: Marcelle Ribeiro

Em segundo lugar no meu ranking dos bolinhos está o boteco Chico e Alaíde, também no Leblon. Chico era garçom do Bracarense e Alaíde, cozinheira. Até que um belo dia declararam independência e abriram seu próprio bar a poucas quadras da antiga “casa”. O número de mesas na calçada é parecido com o do Bracarense (cabem umas 40 pessoas sentadas), o estilo também. Lá, o meu coração foi fisgado pelo bolinho de risoto de camarão (uns R$ 5 por bolinho), que vem com queijo ralado fritinho em volta. Excelente! Depois do bolinho, provei a famosa cestinha de estrogonofe (uns R$ 18), que estava perfeita: estrogonofe de carne em uma cestinha de massa fininha e crocante, com batata palha por cima e uma torradinha por baixo.

Bar Chico e Alaíde. Foto: Marcelle Ribeiro

Bolinho de risoto de camarão do Bar Chico e Alaíde. Foto: Marcelle Ribeiro

chicoealaide_2

Cestinha de estrogonofe do Bar Chico e Alaíde. Foto: Marcelle Ribeiro

Em terceiro lugar no meu “pódio” está o bar Comedoria, recém-inaugurado no Leblon. Com cara de bar/restaurante, ele é mais arrumadinho, amplo, e tem refeições além dos quitutes. Pena que não estava com fome suficiente para jantar carne do sol com aipim (cerca de R$ 70, para dois), que eles servem lá. O Comedoria é aquele que falei no início do post que “atravessou o túnel Rebouças”. A dona é a cozinheira Kátia Barbosa, que também é dona do famoso boteco Aconchego Carioca. Localizado na Praça da Bandeira, na zona norte (do outro lado do túnel Rebouças) o Aconchego Carioca tem sempre fila e por isso ainda não fui conhecer. Já estive na filial de São Paulo (pois é!!) mas ainda não fui ao da Praça da Bandeira. Por isso é que quando li que a Kátia estava inaugurando o Comedoria e levando o seu famoso bolinho de feijoada para lá, eu tive que ir provar.

E são gostosos os danados dos bolinhos de feijoada do Comedoria. Achei os do Bracarense melhores, mas os do Comedoria (porção com 4 a cerca e R$ 25) são muito bons também. Outra delícia que provamos na nova empreitada da Kátia foi o sanduíche de carne seca com rúcula e cream cheese. Nossa, a boca encheu de água de novo…

Bar Comedoria. Foto: Marcelle Ribeiro

Bolinhos de feijoada do bar Comedoria. Foto: Marcelle Ribeiro

comedoria_2

Sanduba (metadinha) de carne seca do Bar Comedoria. Foto: Marcelle Ribeiro

 

Bracarense

http://www.bracarense.com.br/

Endereço: Rua José Linhares, 85, Leblon.

Telefone: (21) 2294-3549

 

Chico e Alaíde

http://www.chicoealaide.com.br/

Endereço: Rua Dias Ferreira, 679, Leblon.

Telefone: (21) 2512-0028

 

Comedoria

Endereço: Rua Rainha Guilhermina, 48, Leblon.

Telefone: (21) 2294-2913.

 

Leia também:

Todas as dicas sobre passeios no Rio de Janeiro

Rio: Três dicas de points grátis para ouvir música e beber

As melhores rodas de samba do Rio de Janeiro

Como montar seu roteiro de viagem para o Rio de Janeiro

Reserve sua hospedagem no Rio de Janeiro pelo Booking clicando aqui e ajude o blog a ganhar uma pequena comissão sem pagar nada a mais! (saiba como funciona essa parceria aqui)

Ao reservar o seu carro pelo portal Rentcars por esse link, você compara preços de várias locadoras, consegue descontos e colabora com o Viciada em Viajar.

Compartilhar este artigo:

Comentários

  1. Lucio Carlos
    08 nov 2015

    Em janeiro erei ai conhecer esse lugar encantador, adorei a historia e os petiscos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *