Passeios em Paris: Roteiro de 5 dias de viagem – Parte 2

postado por Marcelle Ribeiro em 31/03/2011 - Atualizado em: 10/02/2019
Compartilhar este artigo:

Eu já contei neste post aqui como foram os meus dois primeiros dias na capital francesa e dei dicas de onde ficar em Paris. Vamos continuar com as dicas?

 

3º dia – Bate-volta para o Palácio de Versailles

Se eu tivesse que passar 1 dia só na França, nesse dia eu iria ao Palácio de Versailles. Nem tanto pela parte externa do prédio, que é meio “caixote”, mas pelo interior e pelos jardins. É um pouquinho afastado do Centro de Paris, mas é fácil chegar, basta pegar o RER C5 até Versailles.  Nós dedicamos um dia inteirinho a ele, porque tem muita coisa para fazer.

Procurando hotel? O Booking  tem opções para todos os bolsos. Reserve por  esse link, que tem o meu código, e ajude o blog.

No interior, o que mais chama a atenção é o Salão dos Espelhos, cheio de lustres maravilhosos. E os inúmeros quartos, salas, móveis…

É legal alugar um audioguia lá, para saber histórias curiosas dos cômodos (tipo: como o rei fazia para sair e dar uma chifradinha na rainha).

DSC01548

Salão dos Espelhos. Foto: Marcelle Ribeiro

DSC01545

Cama de rainha no Palácio de Versailles. Foto: Marcelle Ribeiro

Quando fomos, no verão, os jardins estavam floridos e, no fim do dia, rolou música clássica com fontes ligadas no jardim. Fiquei tão emocionada que até chorei de felicidade.

Pensando em alugar um carro? Compare em mais de 100 locadoras com a Rentcars! Pague em reais, sem IOF e parcelado em até 12X!
DSC01603

Isso aqui é só uma parte do jardim (perceba que ele vai até onde você pode ver). Foto: Marcelle Ribeiro

 

4º dia – Dia de museus e igreja

Com ingressos comprados pela internet, “furamos” a fila do Museu do Louvre (Rue de Rivoli. Metrô 1 e 7 até Palais Royal). Ficamos lá por umas 2 horas, mas há quem passe um dia inteiro. A gente seguiu uma lista de “as 10 atrações mais importantes” de um guia que comprei, mas fomos parando entre elas para ver coisas que achamos legais no caminho. É claro, a gente começou pela Monalisa.

DSC01651

Museu do Louvre, a parte externa. Foto: Marcelle Ribeiro

Como sou louca por vitrais, não pude deixar de ir na Saint-Chapelle, que é uma capela de 1248, com 15 vitrais. O endereço é 4, Blvd.. du Palais, na Île de la Cité (metrô Cité).

Só até dia 17/03/19! Seguro saúde viagem internacional com desconto de 15%! Escolha entre as melhores operadoras. Atendimento 24h em português!
DSC01663

Os vitrais da Sain-Chapelle. Foto: Marcelle Ribeiro

Depois, fomos a um museu mega-diferente, o Centro Cultural George Pompidou (Rue de Renard, perto do metrô 11 até Rambuteau). Eu tinha lido que esta é a atração mais visitada de Paris (até mais que a Torre Eiffel), e que era point dos jovens e tal. Só que o Pompidou é um lugar de onde moderna, com aqueles quadros que às vezes não dizem nada para a gente. Eu gosto de umas coisas diferentes, mas o Gui não curtiu muito não…rsrsrs. Logo na chegada, tinha uma mostra com uns peitos de espuma caindo de um andar para outro e subindo num elevador especial. Depois, tinha um monte de quadro em branco….rsrsrsrs

DSC01666

A parte externa do Pompidou já mostra que o museu é bem diferente, né? Foto: Marcelle Ribeiro

 

5º dia – Montmartre e Sacre-Coeuer

Último dia de viagem, último dia para aproveitar Paris. Mas o último dia foi o melhor, porque finalmente fez um sol lindo em Paris!

Passeio guiado de 1 dia e ingressos sem fila? Contrate aqui!

E o sol veio bem a calhar no primeiro programa do dia: uma visita a Montmartre e à Basílica de Sacré-Coeuer (perto do metrô Lamarck Caulaincourt). Das escadarias da basílica (que é mais impressionante por fora do que por dentro), temos uma vista incrível de Paris. Ficamos um tempinho sentados na escada só apreciando a vista. Pena que não fomos a Montmartre de noite, pois o bairro é bem boêmio.

DSC01674

Basílica de Sacré-Coeuer. Foto: Guilherme Calil

Na sequência, fomos fazer um passeio que agradou mais a Guilherme do que a mim: o Hôtel des Invalides (pegue o metrô 8 até Latour ou 13 até Varenne. Fica ao lado do Museu Rodin. A entrada principal é na 129, Rua de Grenelle).

O lugar funcionava como um reduto hospitalar para veteranos de guerra no século XVII, mas hoje tem um monte de salas com armas, armaduras, coisas de guerra. Por isso, agradou a Gui (que adora saber sobre guerras) e não muito a mim, que já tinha visto meu estoque de armaduras nas outras cidades que visitamos. O que achei legal de lá foi a roupa de Napoleão (o túmulo dele também está lá).

DSC01692

Roupa de Napoleão no Hôtel des Invalides. Foto: Marcelle Ribeiro

Depois do nosso último almoço em Paris, eu já estava cheia de vinho na cabeça, e preparada psicologicamente para voltar para o Rio naquele mesmo dia, mas a gente ainda tinha um tempinho. Como era pertinho do nosso hotel, Gui quis ir no Panthéon (fica na Place du Panthéon, metrô RER Luxembourg ou Cardinal-Lemoine e Maubert-Mutualité). Eu não entrei, mas ele adorou lá dentro. Tinha uns quadros legais (um sobre a morte de Joana D’Arc) e os túmulos de Voltaire, Rousseau e Victor Hugo.

DSC01708

O Panthéon de Paris. Foto: Marcelle Ribeiro

Depois disso, fizemos as malas e seguimos para o aeroporto, de volta para o Rio.

 

Leia também:

Tudo que você precisa saber para montar seu roteiro de viagem para Paris

Primeira viagem para a Europa – dicas de roteiro, hospedagem e transporte

Pirineus: roteiro de 3 dias com cachoeiras entre França e Espanha

Compartilhar este artigo:
Publicado por Marcelle Ribeiro

Jornalista, baiana, mas há mais de 20 anos moradora do Rio de Janeiro. Nos seus mais de 30 anos de vida, já viajou sozinha e acompanhada. Casada com o Guilherme, petlover e viciada em pesquisar novos destinos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *