Balneário Camboriú (SC): Roteiro de 2 dias de viagem

postado por Marcelle Ribeiro e atualizado em: 24/10/2016
Compartilhar este artigo:

Perto de Florianópolis, Balneário Camboriú (SC) é uma boa opção para quem curte apreciar praias em meio à Mata Atlântica, sem abrir mão de uma estrutura urbana com bons restaurantes, comércio farto e uma orla onde a vida noturna é intensa. Além disso, a cidade é uma boa base para os que pretendem visitar lugares como o parque de diversões Beto Carrero World (que fica na cidade de Penha, a 37km de Balneário Camboriú).

Eu passei dois dias em Balneário Camboriú no final de março desse ano, em uma viagem que fiz sozinha. Achei a cidade segura e me senti confortável de andar na orla da praia Central (na Avenida Atlântica) às 23h, pois nesse horário há gente correndo, caminhando com cachorro e frequentando os vários bares e restaurantes da região.

Em dois dias você conhece bem a cidade. Se quiser ir ao Beto Carrero, sugiro que passe mais um dia. E o que fazer em dois dias em Balneário Camboriú? Vamos à sugestão de roteiro!

Procurando hotel? O Booking tem opções para todos os bolsos. Reserve por esse link, que tem o meu código, e ajude o blog.

 

Dia 1

Comece pelos passeios “obrigatórios” e mais bonitos: um passeio de bondinho que te leva a uma bela praia. Estou falando do Parque Unipraias, que lembra um pouco o Bondinho do Pão-de-Açúcar do Rio de Janeiro. O Parque tem 3 estações de bondinho. Sugiro que você embarque na que fica no canto Sul da Praia Central de Balneário Camboriú (chamada estação Barra Sul). As cabines cabem até 6 pessoas sentadas e são bem seguras. Na subida até a segunda estação, chamada Mata Atlântica, você vai curtir a vista da Mata Atlântica e da orla da cidade, com seus arranha-céus de dezenas de andares, bem incomuns em outras cidade litorâneas brasileiras. Apesar de saber que muitos deles fazem sombra na praia e não são bons para a circulação do ar, não consegui deixar de achar que os edifícios são bonitos.

Praia Central vista do Teleférico do Parque Unipraias. Foto: Marcelle Ribeiro.

Praia Central vista do bondinho do Parque Unipraias. Foto: Marcelle Ribeiro.

Teleférico do Parque Unipraias. Foto: Marcelle Ribeiro.

Bondinho do Parque Unipraias. Foto: Marcelle Ribeiro.

Na estação Mata Atlântica, você pode parar para aproveitar algumas atrações, como mirantes com vista para a Praia de Laranjeiras e para a praia Central, e brinquedos como o Youhooo! (um carrinho que passa “por dentro” da mata em um trilho suspenso, em velocidade) e o Zip Rider (uma espécie de tirolesa). Na ida, eu dei uma parada em um dos mirantes e depois segui “viagem” de bondinho para a próxima estação, a que deixa bem na praia das Laranjeiras*.

DESCONTO DE 5% no Esquenta Black Friday para aluguel de carro na Rentcars, com o cupom NOVEMBER. Vale até 30/11, com retirada do carro até 31/12! Compare preços de várias locadoras!
Atrações do Parque Unipraias. Foto: Marcelle Ribeiro.

Atrações do Parque Unipraias. Foto: Marcelle Ribeiro.

Atrações do Parque Unipraias. Foto: Marcelle Ribeiro.

Atrações do Parque Unipraias. Foto: Marcelle Ribeiro.

Praia de Laranjeiras vista do Parque Unipraias. Foto: Marcelle Ribeiro.

Praia de Laranjeiras vista do Parque Unipraias. Foto: Marcelle Ribeiro.

A praia de Laranjeiras é linda! Pequena, cercada de muito verde, sem prédios em volta e com água de um verde esmeralda belíssimo. E o melhor: mar paradinho e sem ondas. Eu fui no finalzinho de março, e a água estava boa, mais quente que a do Rio de Janeiro, mas mais fria que a do Nordeste. Deu para tomar banho sem problema. Aliás, março é o mês perfeito para visitar as praias catarinenses, como ensina o blogueiro Ricardo Freire, do Viaje na Viagem, pois a temperatura está quente e quase não chove. E melhor: não tem os megaengarrafamentos do verão!

A praia de Laranjeiras tem estrutura para atender o visitante mesmo na baixa estação. É fácil alugar um guarda-sol (R$ 10) e há ambulantes vendendo bebidas, milho e outros petiscos de praia. A areia é meio dura para quem curte deitar em uma canga. Melhor alugar uma cadeira. É uma praia bem família, com muitas crianças e argentinos (eles estão por toda parte em Balneário Camboriú!!!!).

Praia de Laranjeiras, em Balneário Camboriú. Foto: Marcelle Ribeiro.

Praia de Laranjeiras, em Balneário Camboriú. Foto: Marcelle Ribeiro.

Se você quiser, pode almoçar na praia mesmo, pois há um restaurante com comida a quilo e também a la carte (cerca de R$ 100 o prato para 2 pessoas).

Da areia da praia à estação são apenas 200m, e no caminho há lojinhas de lembranças e roupas de praia com preços interessantes.

Depois de curtir um solzinho, eu voltei de bondinho (o ingresso dá direito a ida e volta) e na volta parei novamente na estação Mata Atlântica para fazer a trilha ecológica, que leva a um mirante. Ela é ecológica apenas porque passa pelo meio de árvores, não vi nenhum bicho.

Parque Unipraias. Foto: Marcelle Ribeiro.

Parque Unipraias. Foto: Marcelle Ribeiro.

De volta à estação Barra Sul, se ainda não estiver morrendo de fome, caminhe até o Molhe Sul, que é um “calçadão” de pedras que avança para o mar na ponta Sul da praia Central. É gostoso andar ali curtindo um ventinho. No Molhe também há um restaurante famoso da cidade, o Pharol Porto Cabral, com janelões voltados para o mar.

Vista do Molhe Barra Sul, em Balneário Camboriú. Foto: Marcelle Ribeiro.

Vista do Molhe Barra Sul, em Balneário Camboriú. Foto: Marcelle Ribeiro.

Molhe Barra Sul, em Balneário Camboriú. Foto: Marcelle Ribeiro.

Molhe Barra Sul, em Balneário Camboriú. Foto: Marcelle Ribeiro.

Depois de um descanso no hotel, você pode ir à noite ao Cristo Luz**, uma estátua do Cristo no alto de uma montanha na cidade. O Cristo Luz tem um canhão de luz nas mãos, voltado para a cidade e não está de braços abertos como o Cristo Redentor do Rio de Janeiro. Se você já conhece o Cristo Redentor, vá ao Cristo Luz se sua intenção for ver as luzes de Balneário Camboriú e seus altíssimos prédios à noite. Com 33 metros de altura, a estátua é um pouco menor que o Cristo Redentor (que tem 38m).

Cristo Luz, em Balneário Camboriú. Foto: Marcelle Ribeiro.

Cristo Luz, em Balneário Camboriú. Foto: Marcelle Ribeiro.

Balneário Camboriú vista do Cristo Luz. Foto: Marcelle Ribeiro.

Balneário Camboriú vista do Cristo Luz. Foto: Marcelle Ribeiro.

Se você estiver sem carro em Balneário Camboriú (como eu), saiba que a empresa que opera o Cristo Luz oferece transporte gratuito do Centro até a estátua, na ida e na volta. O ônibus para em pontos específicos da Avenida Brasil a cada 40 minutos (pergunte os horários no seu hotel). A única coisa chata é que como a visita ao monumento é rápida (leva uns 10 minutos), quem depende do ônibus para voltar acaba sendo “obrigado” a ficar esperando quase 30 minutos pelo transporte de volta ao hotel. No total, entre esperar o ônibus passar, chegar à estátua, visitá-la e voltar ao hotel, levei 2h.

Encerre a noite jantando ou petiscando em algum dos restaurantes da orla da praia Central (vou falar das dicas gastronômicas em um próximo post).

 

Dia 2

No segundo dia, você pode ir a uma das praias mais bonitas de Balneário Camboriú, Estaleirinho. É a última praia da cidade. A beleza dela está tanto no verde esmeralda do mar, quanto no recorte das montanhas que a cercam, verdinhas de Mata Atlântica. Mas vá sem expectativas de entrar na água: as ondas são muuuuuito fortes e a areia forma valas. Eu molhei apenas as pernas e “filei” o chuveirão de uma pousada com bar de praia à beira-mar.

Praia de Estaleirinho, em Balneário Camboriú. Foto: Marcelle Ribeiro.

Praia de Estaleirinho, em Balneário Camboriú. Foto: Marcelle Ribeiro.

Praia de Estaleirinho, em Balneário Camboriú. Foto: Marcelle Ribeiro.

Praia de Estaleirinho, em Balneário Camboriú. Foto: Marcelle Ribeiro.

Diferentemente da praia de Laranjeiras, na praia de Estaleirinho há bem pouca estrutura para o banhista, pelo menos na baixa estação. Na ponta da direita, há um restaurante bonitinho com chuveirão e com refeições e petiscos no cardápio (pratos para dois a partir de R$ 60), mas quando fui, eles não disponibilizavam cadeiras na areia, apenas no deck deles.

Mais no centro da praia, há uma pousada com piscina e bar aberto a visitantes. Comprei uma água e pedi para usar o chuveirão. Não havia barraquinhas na areia. Mas além de ser baixa temporada, era dia de semana e a praia estava bem vazia. Vi umas 10 pessoas nas quase 2h que fiquei por lá. Como a areia é fofinha e branquinha, estiquei minha canga no sol. Não vi ninguém alugando guarda-sol ou sequer um ambulante vendendo água.

E como chegar a Estaleirinho? Eu fui de transporte público e foi bem tranquilo. Há duas linhas de ônibus que saem do centro da cidade para lá (não me lembro os números, sorry), e que passam a cada 40 minutos. Do centro até lá levei uns 40 minutos.

Neste dia, sugiro que você almoce pelo orla da praia Central. Depois de um descanso no hotel, aproveite a tarde para uma deliciosa caminhada que começa no canto esquerdo da praia Central. Pegue um ônibus até a ponta esquerda e ande pela Passarela Pontal Norte, uma “calçada” de madeira beirando o mar, que passa por árvores verdinhas e onde há vários pontos bacanas para tirar fotos da orla e também banquinhos para descansar. Essa “calçada” leva até a praia do Buraco, onde não vi ninguém vendendo água ou lanche. Mesmo caminhando sozinha, achei a Passarela Pontal Norte segura, pois ela é toda monitorada por câmeras.

IMG_4616

Passarela Pontal Norte, em Balneário Camboriú. Foto: Marcelle Ribeiro.

IMG_4619

Passarela Pontal Norte, em Balneário Camboriú. Foto: Marcelle Ribeiro.

IMG_4620

Praia do Buraco, em Balneário Camboriú. Foto: Marcelle Ribeiro.

 

E a praia Central, não entra no roteiro?

Apesar de haver guarda-sol e cadeiras para alugar, além de muitas opções de lanches, não vale a pena. A água é imprópria em determinados trechos e não é tão bonita. A areia é escura e dura.

IMG_4605

Praia Central, em Balneário Camboriú. Foto: Marcelle Ribeiro.

IMG_4609

Praia Central, em Balneário Camboriú. Foto: Marcelle Ribeiro.

E como se locomover pela cidade para fazer esse roteiro? A pé ou de ônibus. Não é preciso carro. A cidade tem um ônibus especial que faz um trajeto circular por toda a Avenida Atlântica e a Avenida Brasil, chamado Bondindinho. Ele é um pouco mais caro (R$ 4,50 a passagem) e anda mais devagar (até 40km/h), mas tem janelões que permitem ir apreciando a vista e passa com bastante frequência.

 

*O Viciada em Viajar ganhou de cortesia o ingresso para o Parque Unipraias, por intermédio do Balneário Camboriú Convention e Visitors Bureau.

*O Viciada em Viajar ganhou de cortesia o ingresso para o Cristo Luz, por intermédio do Balneário Camboriú Convention e Visitors Bureau.

 

Reserve sua hospedagem em Balneário Camboriú pelo Booking clicando aqui e ajude o blog a ganhar uma pequena comissão sem pagar nada a mais! (saiba como funciona essa parceria aqui)

Ao reservar o seu carro pelo portal Rentcars por esse link, você compara preços de várias locadoras, consegue descontos e colabora com o Viciada em Viajar.

 

Parque Unipraias

http://www.unipraias.com.br/home

Preço – Bondinho: R$ 39 (adultos), R$ 19 (6 a 12 anos e acima de 60 anos) ou grátis (0 a 5 anos). O bilhete dá direito a ida e volta. Youhoo!: R$ 34 (individual) ou R$ 45 (com 2 pessoas). Zip Rider: R$ 45 por pessoa. Fantastic Forest (para crianças): R$ 15.

Horário de funcionamento: Varia mês a mês. Cheque aqui: http://www.unipraias.com.br/p/dias-e-horarios-de-funcionamento

Endereço: Avenida Atlântica, 6006 (Molhe Sul).

 

Cristo Luz

http://www.cristoluz.com.br/

Preço – Diurno (10h às 19h): R$ 15 para adultos e R$ 5 para crianças de 7 a 12 anos. Noturno (a partir das 19h): R$ 30 para adultos e R$ 10 para crianças de 7 a 12 anos. Crianças até 6 anos não pagam.

Horário de funcionamento: Varia mês a mês. Veja em http://www.cristoluz.com.br/funcionamento

Endereço: Rua Indonésia, 800 – Bairro das Nações – Balneário Camboriú – SC.

 

Veja também:

Todas as dicas sobre Florianópolis

Índice de posts sobre Balneário Camboriú

Leia tudo sobre as belezas de Guarda do Embaú (SC)

Compartilhar este artigo:

Comentários

  1. Julia
    02 maio 2016

    QUE LEGAL! E em que hotel você ficou? É melhor ficar em uma região perto de onde?

    • 06 maio 2016

      Oi, Julia, esse é o tema do meu próximo post. Mas te adianto que fiquei no Hotel Itália e gostei. http://hotelitalia.com.br/ O melhor é ficar na praia central da cidade, onde tem bastante transporte, comércio e restaurantes e bares bacanas.
      Abraço,
      Marcelle

  2. Vanessa
    02 jun 2016

    Ola, na praia do estaleirinho tem um restaurante maravilhoso!!! Restaurante estaleirinho , vale a pena

  3. Nilcelia Silva Lima
    02 ago 2018

    Muito bom seu roteiro , parabéns.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *