Passeios em Pucón: Trilha e termas bonitas e baratas

postado por Marcelle Ribeiro em 05/04/2018
Compartilhar este artigo:
Laguna Verde, no Parque Huerquehue

Laguna Verde, no Parque Huerquehue

 

Quem gosta de turismo de aventura e de natureza, tem que colocar Pucón, no Chile, na sua lista de próximas cidades a serem visitadas o quanto antes! Passeios em Pucón não faltam, ainda mais se você curte atrações diferentes, como trilhas e também banhos em termas. No carnaval desse ano eu e minha irmã fomos para a cidade e conhecemos o Parque Nacional de Huerquehue, e seus lagos. Foi uma delícia aproveitar as águas límpidas da Laguna Verde, uma das atrações do parque. E depois de muito caminhar, fomos relaxar em uma das inúmeras termas de Pucón, com suas águas super quentes.

Nosso dia começou às 8h, quando saímos do nosso hotel e demos uma rápida passada no Lago Caburga, bem pertinho de Pucón, a 35km. Ficamos cinco a dez minutinhos, só para ver onde os chilenos vão à praia.

Reserve sua hospedagem em Pucón pelo Booking clicando aqui!

Lago Caburga, em Pucón.

Lago Caburga, em Pucón. Foto: Marcelle Ribeiro

Depois, seguimos para o Parque Huerquehue. Chegamos por volta das 9h, e depois de uma rápida parada no banheiro do parque, começamos a nossa trilha. O percurso, chamado Los Lagos, é de dificuldade moderada, com algumas subidas meio cansativas. Mas a trilha é bem segura, muito bem sinalizada. A maioria das pessoas faz a trilha sem guias.

Não esqueça de fazer seu seguro de viagem internacional antes de viajar! Faça na Mondial com desconto clicando aqui.

 

Árvore do Parque Huerquehue, em Pucó

Árvore do Parque Huerquehue, em Pucón. Foto: Marcelle Ribeiro

 

No caminho tem paradas para descanso, como esse belo mirante da foto abaixo.

Mirante do Parque Huerquehue.

Mirante do Parque Huerquehue. Foto: Marcelle Ribeiro.

 

Essa trilha tem 3 lagos. O primeiro é o Lago Chico, que é meio escondidinho. Não vi ninguém tomando banho lá, a maioria só dá uma paradinha para uma foto rápida. É bonito, mas não vi área para sentar e descansar.

Reserve seu carro pelo portal Rentcars por esse link e ganhe descontos!

 

Lago Chico, Parque Huerquehue.

Lago Chico, Parque Huerquehue. Foto: Marcelle Ribeiro.

O segundo lago é o mais legal e lindo de todos, a Laguna Verde. Tem uma área para descansar na sombra bem escondidinha à esquerda. A gente deitou nas pedras por ali, e demos uma descansada relaxante. A Laguna Verde é ótima para um mergulho, com água fria mas não insuportavelmente gelada. Tem uma parte bem rasinha. A água é super transparente, com uma cor incrível!

Foi por ali que fizemos a nossa pausa para um lanche como almoço, já que ficamos por lá por volta das 11h30 às 12h30. Ah, importante avisar que dentro do parque não há ninguém vendendo lanche ou sequer água (não tem nem bebedouro), então leve tudo que for consumir.

Encontre hotéis de todos os preços no Booking clicando aqui!

Laguna Verde, no Parque Huerquehue.

Laguna Verde, no Parque Huerquehue. Foto: Marcelle Ribeiro

Laguna Verde, no Parque Huerquehue.

Laguna Verde, no Parque Huerquehue. Foto: Marcelle Ribeiro

Da Laguna Verde, fomos para o Lago Toro, o menos bonito dos três. Ficamos 5 minutinhos descansando e saímos. Como tem uma parte meio “pântano” na parte rasa, não é tão legal de tomar banho.

 

Lago Toro, no Parque Huerquehue.

Lago Toro, no Parque Huerquehue. Foto: Marcelle Ribeiro

A última atração que visitamos no parque foi o Salto Trufulco, uma cachoeira que vimos do alto, sem poço para banho.

 

Salto Trufulco, do Parque Huerquehue. Foto: Marcelle Ribeiro.

No total, levamos 7h para fazer todo esse tour, caminhando 8,8 km ao todo. O parque é muito frequentado, então dá para meninas fazerem trilhas sozinhas sem problema. No verão, o horário de funcionamento do Parque Huerquehue é das 8h30 às 20h. No inverno é de 8h30 às 18h. A entrada para não-chilenos custa 5 mil pesos para adultos e idosos (ou R$ 27 ,40 ou US$  8,26) e 3 mil para crianças (ou R$ 16,45 ou US$ 4,95).

Veja mais informações no site oficial do Parque Huerquehue.

Na sequência, fomos de carro para uma das muitas termas de Pucón. Se você nunca ouviu falar em termas, calma que eu te explico! Termas são piscinas naturais de água aquecidas naturalmente debaixo do solo por conta da proximidade dos vários vulcões da região. Escolher a melhor terma de Pucón para visitar não é tarefa fácil.

Encontre várias locadoras de carro em Pucón e reserve a sua pelo Rentcars por esse link.

 

As termas mais famosas de Pucón são as Termas Geométricas, pela sua beleza, mas elas ficam a 82km da cidade. Na baixa estação, leva-se 1h50 de carro para chegar lá (mais o mesmo tanto para voltar, naturalmente). Só que no verão, época em que nós fomos, leva-se mais tempo ainda, por conta do engarrafamento para sair de Pucón e chegar na cidade. Por isso, decidimos não ir lá nesta viagem, pois levaríamos quase 1 dia inteiro só para visitá-la. Ficou para uma próxima.

Escolhemos uma das termas perto de Pucón e também mais rústica, a Termas de los Pozones. Por que mais rústica? Porque há algumas termas próximas de Pucón que mais parecem piscinas normais, com azulejo e tudo. A gente queria uma coisa mais “roots”, entendem?

Logo que acabamos a nossa trilha no Parque Nacional Huerquehue, fomos de carro até as Termas de Los Pozones, que ficam a uns 30 minutos de carro do parque e a 45 min da cidade de Pucón (35km). Era fim de tarde, mas no verão isso significa calor ainda. Confesso que não me apaixonei pelas termas. Acho que porque ainda estava um dia meio quente e porque a temperatura das piscinas naturais era demais para mim. E olha que sou daquelas que tomam banho de chuveiro quente todos os dias, mesmo no verãozão do Rio de Janeiro!

Ainda não tem hotel em Pucón? Reserve pelo Booking clicando aqui e ajude o blog!

 

Há várias piscinas em Los Pozones. Eles recomendam que você fique no máximo 15 minutos em cada uma por vez e que vá mudando de piscina em piscina. Comece primeiro pela menos quente (com a água a cerca de 35ºC)  e fique uns 15 minutos nela. Depois, tome uma chuveirada gelada ou se molhe no rio que corre ao lado das piscinas para se refrescar. Na sequência, vá para uma piscina um pouco mais quente. E assim vá fazendo até ir na última piscina (uns 45ºC) se quiser.

Como o calor da água pode alterar a pressão do seu corpo, recomenda-se que você sempre entre na piscina com mais alguém. E evite ficar com a cabeça debaixo d’água muito tempo.

 

Termas Los Pozones, em Pucón.

Termas Los Pozones, em Pucón. Foto: Marcelle Ribeiro

Em Los Pozones, ao lado das piscinas há escaninhos para deixar suas roupas, mas não tem chave, o que é uma chatice (em outras termas da região há). Também só vi um banheiro. Existem, no entento, várias cabines onde você pode trocar de roupa. E não tem lanchonete ou nenhum lugar para comprar uma água ou um lanche por lá. Eles até deixam que você leve, desde que você não coma ou beba dentro da piscina.

Ah, e não esqueça de levar um chinelo, para não ter que ficar pisando nas pedrinhas super incômodas entre uma piscina e outra.

Cada pessoa pode ficar no máximo 3h nas termas.

 

Termas Los Pozones, em Pucón

Termas Los Pozones, em Pucón. Foto: Ticianne Ribeiro.

A entrada nas Termas de Los Pozones custa 8 mil pesos (R$ 44,23 ou US$ 13,24) das 11h às 20h ou 10 mil pesos (R$ 55,29 ou US$ 16,55 ) das 20h à meia-noite.

 

 

Reserve sua hospedagem em Pucón clicando aqui e ajude o blog a ganhar uma pequena comissão sem pagar nada a mais! (saiba como funciona essa parceria aqui)

Ao reservar o seu carro pelo portal Rentcars por esse link, você compara preços de várias locadoras, consegue descontos e colabora com o Viciada em Viajar.

Contrate seguro de viagem internacional com desconto na Mondial clicando aqui.

 

*O Viciada em Viajar conheceu Pucón com o apoio do Serviço Nacional de Turismo do Chile. Veja mais sobre o país em: http://chile.travel/pt-br/.

 

Leia mais:

Como é o passeio para a Reserva de Huilo Huilo, perto de Pucón

Chile: Roteiro de 7 dias em Pucón e Puerto Varas

Tudo que você precisa saber para viajar para Pucón

Índice de posts com dicas para Puerto Varas

 

 

Compartilhar este artigo:
Publicado por Marcelle Ribeiro

Jornalista, baiana, mas há mais de 20 anos moradora do Rio de Janeiro. Nos seus mais de 30 anos de vida, já viajou sozinha e acompanhada. Casada com o Guilherme, petlover e viciada em pesquisar novos destinos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *