Bombinhas (SC): Quando ir, onde ficar e dicas de transporte

postado por Marcelle Ribeiro e atualizado em: 11/07/2019
Compartilhar este artigo:

Agora que você já sabe quais são as praias mais bonitas de Bombinhas e já têm uma ideia de como montar um roteiro de viagem para esse paraíso de Santa Catarina (já leu esse post aqui?), vou te dar dicas de onde ficar, a melhor época para ir para lá, como chegar e como se locomover por lá. Vumbora?

 

Quando ir

Para escolher em qual época ir a Bombinhas, você deve levar em conta não apenas o clima, mas também os engarrafamentos e lotação da cidade. Na alta estação, principalmente nos feriadões do Réveillon e Carnaval, a cidade lota e o trânsito fica bastante engarrafado. Pelo que apurei com moradores, no Ano Novo, por exemplo, leva-se horas para se fazer trechos curtos que normalmente são feitos em poucos minutos. Por isso, não indico ir nesses períodos.

Procurando hotel? O Booking tem opções para todos os bolsos. Reserve por esse link, que tem o meu código, e ajude o blog.

Dizem que depois do Carnaval fica um pouco mais calmo e que, melhor ainda é depois da Páscoa. Eu fui na primeira semana de abril, pois este mês, junto com março, é ótimo para conhecer o litoral catarinense, já que o clima ainda está quente, quase não chove e a água do mar está em uma temperatura agradável (fria, mas sem ser gelada). E olha que sou baiana!

Veja a média de temperatura média e o histórico de chuvas de Bombinhas mês a mês no site da Climatempo.

 

DESCONTO DE 5% no Esquenta Black Friday para aluguel de carro na Rentcars, com o cupom NOVEMBER. Vale até 30/11, com retirada do carro até 31/12! Compare preços de várias locadoras!

Onde ficar

Bombinhas tem uma ótima rede hoteleira. Os hotéis e pousadas se concentram principalmente nas praias de Bombinhas (pois é, tem uma praia com o mesmo nome da cidade), e depois, em uma quantidade um pouco menor, nas praias de Bombas e Mariscal.

Bombinhas é a praia que tem mais opções de restaurantes, bares e lojinhas de artesanato. Dá para ir jantar andando.

Eu me hospedei em Bombas, que, pelo menos na baixa temporada (início de abril), tinha bem menos restaurantes abertos que Bombinhas. A vantagem de Bombas é que os preços das pousadas costumam ser um pouco mais baixos.

Como apenas passei de carro por Mariscal, não posso dizer sobre a oferta de hospedagem por lá.

Bombas e Bombinhas não são praias muito bacanas para banho: a água do mar não é clara e a areia, além de meio escura, é dura. Em ambas, há poucas ondas. Bombinhas tem muita estrutura para o banhista, com pontos de aluguel de guarda-sol e cadeira e muitas barracas/restaurantes na beira da praia. Bombas tem alguns, mas bem menos.

Eu me hospedei na Pousada Canário Azul*, que fica em Bombas. O quarto é bem equipado, com TV, frigobar, ar condicionado, microondas, grill para pão, pia, pratos e alguns utensílios de cozinha. Ou seja, ótimo para quem quer economizar e fazer um sanduíche no quarto mesmo, ou esquentar comida congelada. A pousada também é bem limpa, com roupas de cama e banho novos. A cama era confortável e o chuveiro também.

O atendimento é muito bom. A Milena, dona da pousada, atende pessoalmente todos os hóspedes e dá dicas da cidade e até carona. São poucos quartos, alguns com varanda, uma pequenina área de convívio comum, e a recepção, que normalmente não tem ninguém. A Milena, no entanto, está pronta a atender pelo Whatsapp sempre que solicitada.

O café da manhã é servido no quarto, em horário previamente agendado no dia anterior ou indicado no mesmo dia (basta mandar uma mensagem pelo celular). A bandeja vem com dois tipos de fruta, café, leite, suco de laranja, dois ou três tipos de pães, um bolo ou alguma guloseima doce, queijo, manteiga e geleia. Simples, mas gostoso.

A pousada tem estacionamento, mas acho que poderia melhorar se os hóspedes tivessem a chave do portão. Ele fica fechado, mas não trancado, o dia inteiro (e à noite também). Ou seja, se alguém de fora perceber que basta empurrar, é possível entrar na garagem e chegar à porta dos quartos.

A localização é que me incomodou um pouco. Na baixa temporada, quase todos os imóveis da rua ficam vazios e há terrenos baldios. A pousada fica no final da rua. Andando sozinha, no início da noite, não me senti muito segura, porque estava muito deserto. Para vocês terem uma ideia, mesmo numa noite de sábado não há movimento nos poucos bares de Bombas que ficam abertos. Em Bombinhas o movimento é beeem maior. Mas pode ser que na alta temporada o cenário seja outro, não sei avaliar.

O quarto em que fiquei precisa de uma reforma nas paredes. Uma delas tinha uma rachadura.

Pousada Canário Azul, em Bombinhas. Foto: Marcelle Ribeiro.

Pousada Canário Azul, em Bombinhas. Foto: Marcelle Ribeiro.

Pousada Canário Azul, em Bombinhas. Foto: Marcelle Ribeiro.

Pousada Canário Azul, em Bombinhas. Foto: Marcelle Ribeiro.

Pousada Canário Azul, em Bombinhas. Foto: Marcelle Ribeiro.

Pousada Canário Azul, em Bombinhas. Foto: Marcelle Ribeiro.

 

Pousada Canário Azul, em Bombinhas. Foto: Marcelle Ribeiro.

Pousada Canário Azul, em Bombinhas. Foto: Marcelle Ribeiro.

Pousada Canário Azul, em Bombinhas. Foto: Marcelle Ribeiro.

Pousada Canário Azul, em Bombinhas. Foto: Marcelle Ribeiro.

Como chegar a Bombinhas

Se você vai de ônibus para Bombinhas, saiba que a cidade não tem rodoviária. Você vai precisar pegar um ônibus até a cidade de Porto Belo, que é a mais próxima e fica a 10 minutos de carro de Bombinhas. Em Porto Belo, você desce e pega um ônibus ou um táxi (tabelado, a R$ 40) para Bombinhas.

De Florianópolis a Porto Belo, a única empresa que opera o trecho é a Viação Navegantes, que não vende passagem pela internet. A passagem custa cerca de R$ 20 e a viagem dura aproximadamente 1h30. O ônibus é convencional com ar condicionado e tem bagageiro. Não é dos mais novos, mas dá para o gasto. Veja os horários aqui.

De Balneário Camboriú a Porto Belo, você tem que pegar um ônibus urbano, da Viação Praiana, daqueles sem bagageiro, com catraca mesmo. Veja os horários aqui. A passagem custa R$ 5, só pode ser comprada na hora, em dinheiro, e a viagem demora cerca de 1h. A partida é de um ponto de ônibus em frente à rodoviária de Balneário Camboriú (se informe dentro da rodoviária).

De Porto Belo a Bombinhas, a mesma Viação Praiana opera um sistema de micro-ônibus, que sai da rodoviária de Porto Belo e vai passando por todos os bairros da cidade de Bombinhas, fazendo ponto final na praia de Canto Grande. É um ônibus de linha, comum. A passagem custa R$ 3. Você pode ver os horários aqui. Eles saem no horário marcado de Porto Belo.

Se você vai com mala, recomendo que, chegando a Porto Belo, pegue um táxi a Bombinhas, porque esses ônibus são bem pequenos e vão sempre cheios. Tem ponto de táxi em frente à rodoviária.

 

Como se locomover

Bombinhas é uma cidade que parece ser pequena (pelo menos no mapa!) mas não é. Quem vai de carro consegue conhecer mais praias de modo mais fácil, pois o transporte público lá não é farto.

Há apenas 2 ou 3 ônibus circulando por dia (isso mesmo, 2 ou 3 ônibus, não são 2 ou 3 linhas com vários carros) e uma única empresa operando, a Viação Praiana. Os ônibus que circulam na cidade são os que saem de Porto Belo e depois percorrem todos os bairros de Bombinhas até chegarem ao ponto final, que é na praia de Canto Grande.

Dá para saber o horário em que eles saem de Porto Belo (veja nesse link aqui), mas descobrir quando passam em cada ponto é impossível. Eles demoram cerca de 40 minutos para passar nos pontos, que nem sempre são sinalizados com placas. Em 5 dias lá, não consegui me entender com os horários. Eu nunca sabia se teria que esperar 5 minutos ou 40 para pegar um ônibus da praia de Bombas à de Bombinhas, por exemplo.

Além disso, os trajetos são confusos. Não tem aquela história de “vou atravessar a rua para pegar no ponto do outro lado porque é para aquela direção que eu quero ir”.

Andar de uma praia para outra também nem sempre é opção, pois às vezes elas até são vizinhas, mas são separadas por uma montanha cheia de ladeiras ou um monte de pedras na faixa de areia. Não dá para ir andando, por exemplo, de Bombas a Bombinhas. Dizem que há um ônibus especial circulando apenas entre essas duas praias à noite, mas não vi.

Os táxis circulam a um preço fixo dependendo da distância. De Bombas a Bombinhas, uma corrida de 5 minutos, eles cobram R$ 25. De Bombas à praia de Sepultura, R$ 30. De Bombas à cidade vizinha de Porto Belo, que fica a 10 minutos de carro, a corrida sai a R$ 40. Pelas distâncias percorridas e pelo tempo gasto (em baixa estação!), acho caro!

Por isso, se você pode alugar um carro, alugue. Além disso, há lugares lindíssimos, como a praia da Tainha (saiba mais sobre ela aqui), aos quais você só chega se estiver de carro.

Eu passei 3 dias lá andando sozinha de transporte público ou táxi e em outros 2 dias usei um carro alugado.

Ao reservar o seu carro pelo portal Rentcars por esse link, você compara preços de várias locadoras, consegue descontos e colabora com o Viciada em Viajar.

 

* O Viciada em Viajar se hospedou por 5 noites na Pousada Canário Azul como cortesia da pousada.

 

Veja também:

 

Compartilhar este artigo:

Comentários

  1. Ana Lúcia
    29 abr 2018

    Parabéns pelo trabalho, Mariele. Gostei muito das formas como vc descreve os locais. Sucesso!

  2. Camila
    16 jul 2018

    Nossa mulher não acreditei quando li o trecho em que você fala que Bombas e Bombinhas não são boas pra banho e que o mar é escuro. Meu Deus é a água do mar mais linda que já vi, tem muitos turistas que falam que o mar é muito mais lindo que as praias do nordeste. Você deve ter visitado em dias nublados concerteza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *