Dia de queimar calorias em Canela e Gramado: passeios por parques

postado por Marcelle Ribeiro e atualizado em: 12/07/2019
Compartilhar este artigo:

Na segunda-feira (dia 1 de agosto), graças a Deus o tempo melhorou em Gramado e Canela (veja aqui como foi o nosso primeiro dia e nosso segundo dia na Serra Gaúcha) . Continuou frio, mas a neblina sumiu!! Sorte nossa, porque precisávamos de tempo bom para fazer o que havíamos programado: passeios ao ar livre em parques.

Alugamos um carro na empresa indicada pelo hotel, a RJR, que trouxe ele para nós. Pagamos R$ 65 a diária para 100 km, do carro mais simples possível, já com seguro. Eu tinha orçado em outras duas locadoras de Gramado e Canela, e essa foi a mais barata que achei.

Embora não estivéssemos planejando gastar com carro, tivemos que alugar porque percebi que as agências de viagem não fazem, no mesmo dia, o passeio aos dois parques cuja lógica manda fazer no mesmo dia, o Parque do Caracol e o Parque do Vale da Ferradura. Os dois são em Canela, um perto do outro, na mesma estrada. O Parque do Caracol, que fica a 6km do Centro de Canela, é mais visitado, e tem estrada asfaltada até lá. Para ir ao da Ferradura, tem que pegar um trecho de 6 km de estrada de terra (boa, apesar de ter chovido nos últimos dias) depois do Parque do Caracol.

Procurando hotel? O Booking tem opções para todos os bolsos. Reserve por esse link, que tem o meu código, e ajude o blog.

Seguimos logo às 9h30 para o Parque Vale da Ferradura, a atração mais distante do dia. Mas chegamos lá e descobrimos que a TV Globo estava gravando cenas da próxima novela das 18h no parque, e por isso, ele estaria fechado pelo menos até o início da tarde.

Fomos, então, para o Parque do Caracol. Pagamos R$ 12 pela entrada, por pessoa. Logo na entrada do parque tem um mirante em que você vê a cachoeira do Caracol, linda, com 131 metros de altura. A água cai num vale e chega tão forte lá embaixo que faz uma névoa. Resolvemos pagar R$ 16 por pessoa para subir, de elevador, a um mirante panorâmico, que nos deu uma visão 360 graus do parque e nos permitiu ver, além da queda, a cabeceira da cachoeira, com corredeiras. É legal, mas a vista é parecida com a do mirante.

A cachoeira do Caracol. Foto: Marcelle Ribeiro

A cachoeira do Caracol. Foto: Marcelle Ribeiro

No Parque do Caracol dá para fazer diversas trilhas, de diferentes tamanhos (de 100 metros a 1,1km). Todas são super bem sinalizadas. Em algumas tem até um caminhozinho de pedra, você mal pisa na grama. Nós fizemos quase todas. Partindo da trilha do Arroio (que tem 1,1 km), saem pequenas trilhas que revelam visuais diferentes da cachoeira. Uma delas leva às corredeiras. Outra, ao lago que depois vai virar a queda da cachoeira. Todas são fáceis de fazer (nós somos um casal de 30 anos sedentário). Vi até crianças de uns 5 anos fazendo trilha.Lá tem uma escadaria que eles chamam de “Perna Bamba”. São 750 degraus para descer até a base da cachoeira. Depois, tem que subir tudo de volta. Dizem que demora uns 40 minutos para subir e descer. Mas a escadaria (que tem um trecho de metal e outro de madeira) fica fechada nessa época do ano para manutenção, por causa das chuvas (hehehe, daí eu fui “impedida” de descer).

DESCONTO DE 5% no Esquenta Black Friday para aluguel de carro na Rentcars, com o cupom NOVEMBER. Vale até 30/11, com retirada do carro até 31/12! Compare preços de várias locadoras!
Corredeiras da Cachoeira do Caracol. Foto: Marcelle Ribeiro

Corredeiras da Cachoeira do Caracol. Foto: Marcelle Ribeiro

Eu havia cogitado a possibilidade de irmos ao Teleférico do Caracol (cuja entrada fica um pouco depois da entrada do Parque do Caracol, no início da estrada de terra que leva ao Parque da Ferradura), mas quando contei a Guilherme que no início desse ano houve dois acidentes na mesma semana lá (com cabo rompido, turistas feridos, etc) e em 2008 também, ele me convenceu que não valia a pena o risco. Mas se você quiser se aventurar, saiba que o Teleférico do Caracol custa R$ 20, fica na Estrada do Caracol (RS 466), no Km 10, abre de quinta a terça-feira das 9h às 17h e permite uma visão, de outro ângulo da cachoeira do Caracol. O passeio dura 20 minutos e o percurso tem 830 metros.No parque tem também um trenzinho Maria Fumaça (achamos meio programa de criança, não fizemos), lojinhas de artesanato e restaurante com bufê a quilo. O parque é estadual, mas é super bem organizado. Passamos 1h30 mais ou menos lá. O endereço é Rodovia RS 466, KM 0 (telefone 54-32783035 / parquedocaracol@canela.com.br. Eles não têm site oficial). Fica aberto de segunda a sexta-feira, de 8h45 às 17h45 e aos sábados e domingos de 8h45 às 18h.

Depois de queimar calorias, fomos ingerir, claro! Afinal, na Serra Gaúcha, oportunidade para comer bem é o que não falta!

No Castelinho Caracol, uma casa antiga, no estilo colonial, eles têm o apfelstrudel (torta de maçã) mais famoso da região. Mas antes de comê-lo, você tem que pagar R$ 8 para entrar no Castelinho. Lá dentro, você vê objetos antigos, e cômodos inteirinhos montados como em 1913, quando uma família morava lá com bercinhos, roupas de época, ferros de passar, banheiro, camas, tudo preservado. Em 1985 virou “museu”. Na construção não foram usados pregos, foi tudo encaixado. É interessante, mas não vale os R$ 8. Só que não tem jeito de comer o apfelstrudel sem pagar a taxa de entrada. No café do castelinho você pode comer o apfelstrudel com nata ( R$ 16,50) ou com sorvete (R$ 16,90). Vem bem servido, quentinho, dá para dividir. Uma delícia, o melhor que já comi. Tem também uns outros três tipos de doce, cerveja feita na região e biscoitinhos.

Móveis e instrumentos antigos do Castelinho Caracol. Foto: Marcelle Ribeiro

Móveis e instrumentos antigos do Castelinho Caracol. Foto: Marcelle Ribeiro

O apfelstrudel do Castelinho Caracol. Foto: Marcelle Ribeiro

O apfelstrudel do Castelinho Caracol. Foto: Marcelle Ribeiro

Como a gente não estava com fome e o tempo estava bom (sem neblina), fomos ver o Lago Negro, em Gramado. Lindo, lindo. É pequeno, dá para você dar a volta nele andando, em uns 20 minutos. Se estiver a fim de fazer um programa diferente, pode alugar pedalinho (R$ 15 por 20 minutos), ou um carrinho de golfe para dar a volta (R$ 4 por pessoa). Na frente dele tem um restaurante, e também barraquinhas que vendem guloseimas como pipoca. Chama-se Lago Negro porque dizem que as árvores da região vieram da Alemanha, da Floresta Negra. O Lago Negro fica na Rua Casa da Juventude, esquina com a Rua 25 de Julho, que é meio afastado do Centro de Gramado e não rola de ir andando até lá.O Castelinho do Caracol fica na Estrada do Caracol (rodovia RS 466) Km 3, e fica aberto diariamente, das 9h às 13h e de 14h20 às 17h40. O site é castelinhocaracol.com.br.

O Lago Negro. Foto: Marcelle Ribeiro

O Lago Negro. Foto: Marcelle Ribeiro

O Lago Negro. Foto: Guilherme Calil

O Lago Joaquina Rita Bier. Foto: Guilherme Calil

A gente queria almoçar num lugar não muito caro, onde não nos sentíssemos “obrigados” a comer muito, porque o fondue do dia anterior ainda estava pesando na barriga. E encontramos um lugar bem legal na Rua Coberta, no Centro de Gramado, o Armazém 31 (funciona de segunda a quinta-feira das 11h às 23h e de sexta-feira a domingo, das 11h à meia-noite). Comi uma salada verde com frango desfiado a R$ 20 e Gui comeu uma sopa de ervilha no pão a R$ 19. Muito bom. Lá tem também sanduíches e algumas massas, além de saladas e sopas.No caminho para o restaurante, ainda paramos no Lago Joaquina Rita Bier, pertinho do Mini Mundo. Pena que os jatos de água que enfeitam o lago estavam desligados…

Igreja no Centro de Gramado. Foto: Marcelle Ribeiro

Igreja no Centro de Gramado. Foto: Marcelle Ribeiro

Se você quiser, não faz trilha nenhuma, porque de cara já tem um mirante que proporciona uma vista linda. Mas tem umas trilhinhas curtas que te permitem ver o vale da Ferradura de outros ângulos e mais de perto. São todas curtinhas e fáceis de fazer. Para quem gosta de “exercício mais puxado”, dá para fazer uma trilha até a beira do rio que forma a “ferradura”, que leva mais ou menos 1 hora para ir e 1 hora para voltar. A gente não fez.Como o pessoal da TV Globo já havia liberado o Parque da Ferradura (liguei para o parque para conferir), e eu queria muito conhecer, seguimos novamente para lá. Pagamos R$ 8 para entrar, por pessoa. De lá, se vê, dos mirantes, um vale com um rio em formato de caracol, que tem uma altura de 420 metros. Nem precisa dizer que o visual é maravilhoso, né?

Parque da Ferradura, em Canela. Foto: Marcelle Ribeiro

Parque da Ferradura, em Canela. Foto: Marcelle Ribeiro

Tudo isso nós fizemos até umas 16h. Ainda dava tempo de passear mais, mas como eu estava cansada, fomos descansar no quentinho do hotel.O Parque Vale da Ferradura fica na rodovia RS 466, km 12, a 6 km do Parque do Caracol. Os telefones de lá são (54) 9972-8666 e (54) 9625-7741. O site é esse. Fica aberto diariamente, das 9h às 17h30.Outra coisa legal do Parque do Vale da Ferradura é que às vezes você vê bichos soltos. A gente estava num dos mirantes, quando, de repente, um quati vem descendo pela escada. Eu fiquei meio com medo, tiramos fotos e ele se escondeu pelas pedras.

À noite, refeitos, fomos comer um rodízio de galeto, tradicional da região. A gente queria ir num restaurante indicado pelo Guia 4 Rodas, o Nonno Mio, mas, diferentemente do que dizia no guia, ele não abre às segundas-feiras. Então fomos no Mamma Mia, um restaurante indicado pela blogueira Silvia. Di-vi-no!!!

Primeiro eles servem sopa de capeleti (que é maravilhosa) e salada. Depois, vem o galeto, super bem temperado (mesmo quando você tira a pele), e massas e polentas à sua escolha. Nós comemos o galeto com polenta cremosa com queijo, nhoque com molho de carne de panela, nhoque com molho de queijo e caneloni de queijo. Tudo divino. Tinha polenta frita também, mas não é muito a minha praia. Eles servem à vontade, o quanto você quiser.

E o rodízio ainda inclui sobremesa (pudim de leite, mousse de chocolate, doce de leite, e doces de compotas). Tudo isso a R$ 42 por pessoa. Ah, tem taça de vinho gostosa e cheia a R$ 5. O Mamma Mia fica na Avenida das Hortênsias, 3400, a estrada que liga Canela a Gramado. Se não me engano, eles oferecem transporte grátis. Abre todos os dias, das 11h30 às 15h e das 19h30 à meia-noite.

VEJA A LISTA COMPLETA DE POSTS SOBRE GRAMADO E CANELA

 

Compartilhar este artigo:

Comentários

  1. 08 ago 2011

    Marcelle,

    O melhor strudel da vida e o Mamma Mia foi muito bom também. Nós adoramos as comidinhas deles, só não conseguimos ir a um café colonial muito famoso, que fica quase ao lado.

    bj

  2. Lueny Daila
    29 jul 2013

    Olá Marcelle!
    Estou adorando ler seus textos sobre Gramado e Canela! Estão me ajudando muito a planejar minha lua de mel ano que vem para lá. São muitas informações boas e úteis sobre a cidade.
    Quais os outros hotéis de Canela com a mesma faixa de preço de 150/200 reais além desse que você se hospedou em Canela?
    Bjs

  3. Ione
    03 out 2013

    Adorei o seu Blog, muito bom você explica tudo direitinho e com os preços de tudo para termos uma noção de quantos vamos gastar na viagem para Gramado. Irei agora em novembro no dia 04. Irei para o Natal de Luz.
    Ano que vem irei para Itália, mas irei por um Cruzeiro Marítimo e gostaria de conhecer umas cidades ou outros países, mas não sei ainda como fazer para pesquisar hotéis, trem como comprar as passagens.
    Você poderia me dar umas dicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *