Porto de Galinhas (PE): Quando ir, onde ficar, como chegar

postado por Marcelle Ribeiro em 16/10/2016 - Atualizado em: 06/11/2017
Compartilhar este artigo:

No Nordeste, todo dia faz sol, certo? Nem sempre. Quem está pensando em ir a Porto de Galinhas (PE), por exemplo, deve escolher a época mais seca, até para pegar as famosas piscinas naturais mais iluminadas e com cor da água mais bonita.

 

Quando ir

Segundo o site da Climatempo, na média histórica dos últimos 30 anos, os meses de abril, maio, junho e julho, são os mais chuvosos. Os mais secos são outubro, novembro e dezembro. Eu fui no início da temporada “seca”, em setembro, mas me arrependi um pouco de não ter agendado a viagem para um pouco depois. É que a temporada chuvosa havia acabado há muito pouco tempo, e a água das praias que visitei, de maneira geral, não estava tãaaao lindona quanto fica no meio da estação seca (pelo menos foi o que pude comparar com fotos de pessoas que foram em outras épocas). Mas estava bonita e mesmo assim valeu a viagem. Ah, além disso, peguei 1 dia bem nublado e outro em que choveu o dia todinho (tanto que acabei adiantando minha partida de Porto de Galinhas).

 

Como chegar

Pertinho de Recife, a apenas 63km, Porto de Galinhas é um destino de fácil acesso para turistas. Há várias maneiras de chegar lá.

Ônibus intermunicipal – O Ricardo Freire, do blog Viaje na Viagem, explica neste post aqui que há 2 linhas de ônibus que saem de Recife para Porto de Galinhas, ambas operadas pela Viação Cruzeiro. A passagem custa entre R$ 8 e R$ 12. Uma linha tem ar condicionado e outra não (veja os horários aqui e aqui). Há uma saída por hora em direção a Porto, das 5h às 22h e é possível pegar o ônibus inclusive no aeroporto de Recife. A viagem dura entre 1h20 e 1h40, sem engarrafamento.

Carro alugado – Caso você queria ter total liberdade, pode alugar um carro em Recife e fazer seu próprio itinerário em Porto. Não me lembro de ter visto locadoras de automóveis em Porto. Mas é fundamental ter carro em Porto? Não. Você pode se encaixar em passeios oferecidos pelas agências da região e, caso queira passar o dia com mais calma em praias onde os tours apenas passam meio rapidamente, pode combinar com um taxista de levá-lo e buscá-lo. Há vários táxis em Porto de Galinhas. Mas caso opte pelo táxi, o ideal é que você esteja pelo menos em 2 pessoas, pois ir e voltar da vila à praia de Muro Alto, distante cerca de 10 km do centrinho, por exemplo, pode custar cerca de R$ 100 de táxi (ida + volta).

Transfer privativo – Se você quiser ter o conforto de um carro e um motorista só para o seu grupo, pode contratar esse serviço. A viagem dura cerca de 40 minutos. Uma agência que oferece esse serviço é a JG Tour, que cobra R$ 140 por cada trecho (valor que pode ser dividido por até 4 pessoas). Quando estive em Porto de Galinhas, usei o serviço de transfer da JG Tour como cortesia. O carro era novo, limpo, confortável e os motoristas eram simpáticos.

Transfer compartilhado – Algumas agências de viagem oferecem o serviço de transfer compartilhado em vans ou carros de passeio, a partir do aeroporto ou de hotéis de Recife, em diversos horários (inclusive de madrugada). Cada trecho costuma custar R$ 80 por pessoa.

 

Onde ficar

Porto de galinhas tem uma rede de hospedagem que vai de campings na beira da praia a resorts luxuosos, passando por pousadinhas e casas de veraneio para aluguel. Os resorts e hotéis maiores normalmente não ficam na vila, mas sim em praias próximas, como Muro Alto, Cupe e Maracaípe (saiba o perfil de cada praia neste post aqui).

Há pousadas na meiuca da vila e outras nas “franjas”. Quanto mais no “meio”, menos você vai andar para ir às ruas onde se concentram os restaurantes e lojinhas (a maioria delas tem acesso apenas para pedestres), que são: Rua Esperança (também chamada de Rua Manoel Uchoa), Rua das Piscinas Naturais e Rua Beijupirá.

Mapa do Centro de Porto de Galinhas.

Mapa do Centro de Porto de Galinhas.

Eu estava viajando sozinha e sem carro e, por isso, quis ficar bem no coração do centrinho, para me sentir 100% segura de andar sozinha à noite. Não que Porto de Galinhas tenha fama de local violento, nada disso. Mas é que me sinto mais confortável e livre para curtir se estou bem pertinho do centrinho, em qualquer vilarejo de praia em que eu vá.

Fiquei na Pousada Charme da Vila, que super recomendo. É uma casa que foi adaptada para virar pousada, com cerca de 5 quartos apenas. Todos super charmosos e aconchegantes, bem decorados, com ar condicionado, Tv, frigobar e uma cama bem confortável. Tem uma piscininha pequena e um café da manhã dos deuses! Canjica quentinha, tapioca, bolos, queijo coalho, frutas, frios e outras delícias.

Pousada Charme da Vila, em Porto de Galinhas. Foto: Marcelle Ribeiro

Pousada Charme da Vila, em Porto de Galinhas. Foto: Marcelle Ribeiro

Pousada Charme da Vila, em Porto de Galinhas. Foto: Marcelle Ribeiro

Pousada Charme da Vila, em Porto de Galinhas. Foto: Marcelle Ribeiro

Pousada Charme da Vila, em Porto de Galinhas. Foto: Marcelle Ribeiro

Pousada Charme da Vila, em Porto de Galinhas. Foto: Marcelle Ribeiro

 

A localização é excelente. Apesar de o endereço ser na Praça Nove, a pousada tem um portão “secreto” que dá para uma pequena rua de acesso à Rua Beijupirá, que, como eu disse, é uma das mais bacanas do Centrinho, com restaurantes, lojinhas e até uma feirinha de artesanato que funciona todas as noites, agências bancárias e posto de atendimento a turistas. E a praia está a menos de 10 minutos a pé.

 

Reserve sua hospedagem em Porto de Galinhas pelo Booking clicando aqui e ajude o blog a ganhar uma pequena comissão sem pagar nada a mais! (saiba como funciona essa parceria aqui)

Ao reservar o seu carro pelo portal Rentcars por esse link, você compara preços de várias locadoras, consegue descontos e colabora com o Viciada em Viajar.

 

Leia também:

O que fazer e sugestão de roteiro de viagem em Porto de Galinhas

Como é o passeio para a Ilha de Santo Aleixo, perto de Porto de Galinhas

Porto de Galinhas (PE): Onde comer e onde não comer

Índice de posts sobre Porto de Galinhas

Compartilhar este artigo:
Publicado por Marcelle Ribeiro

Jornalista, baiana, mas há mais de 20 anos moradora do Rio de Janeiro. Nos seus mais de 30 anos de vida, já viajou sozinha e acompanhada. Casada com o Guilherme, petlover e viciada em pesquisar novos destinos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *