Mission: monte seu roteiro no bairro mais descolado de San Francisco

postado por Marcelle Ribeiro em 12/08/2015 - Atualizado em: 20/09/2016
Compartilhar este artigo:

Um dos bairros mais descolados e boêmios de San Francisco é o Mission, ou Mission District, que é destino certo dos moradores da cidade aos sábados e domingos. Muita gente vai para lá para tomar sol no parque, ver e ser visto. Em dias de semana, a região atrai principalmente pela enorme quantidade de bares e restaurantes bacanas que estão concentrados em algumas ruas. Além disso, ainda tem uma igreja histórica belíssima e cheia de história, e murais coloridos que atraem turistas. Por tudo isso, recomendo uma visita ao bairro. Mas vá preferencialmente em um fim de semana, pois em dias de semana a atmosfera do local é menos interessante (com menos gente no parque).

Você pode ir de dia, para conhecer a igreja, o parque e os murais do bairro (e aproveitar e almoçar ou jantar), ou ir só à noite, para ir a um dos muitos bares da região. Mas preste atenção, porque algumas ruas do bairro não são seguras. Mission é originalmente um bairro de moradias mais baratas, ocupado por muitos latinos e migrantes pobres. Mas aí se tornou um bairro descolado, desejado por profissionais da área de Tecnologia que se mudam para a Califórnia por causa das empresas de internet. Como eles têm mais grana, os aluguéis subiram. Hoje é um bairro com duas caras: há ruas mais frequentadas por uma galera mais “cool” e outras mais abandonadas, com clima barra pesada.

A rua mais bacana, cheia de bares e restaurantes, é a Valencia Street. O ideal é ir de BART (tipo de metrô) para lá, descer na estação 16th Street, que fica na Mission Street e andar em direção à Valencia Street. Evite andar pela Mission Street, pois ela tem uma cara bem esquisita, com aspecto inseguro (ande até ela apenas para ir até a estação). O quadrado mais legal de Mission District é delimitado pelas ruas Valencia, 16th, Dolores e 23rd Street. Neste quadrado você verá a Mission Dolores (igreja linda), o Dolores Park, murais, restaurantes e bares. Eu andei por lá de dia sozinha e não tive qualquer problema. À noite, fui com um grupo de amigos que moram lá.

A seguir, as principais atrações do bairro para você montar o seu roteiro de viagem:

 

Mission Dolores

A Califórnia tem 21 “missões”, que são igrejas construídas por padres franciscanos na época da colonização do estado. É que apesar de os espanhóis terem “descoberto” a Califórnia em 1542, eles só a colonizaram depois do século XVIII. O domínio espanhol era exercido nessa época por algumas instituições, entre elas as “missões”. As primeiras foram criadas em San Diego, em 1769. Depois, outras foram fundadas em várias cidades do estado. A missão de San Francisco, conhecida como Mission Dolores, é uma delas e data de 1776. A igreja, assim como outras do tipo, é simples, mas é uma graça. O bacana de visitá-la é que você fica conhecendo um pouco mais da história do estado e percebe que as inúmeras cidades californianas têm nomes em espanhol não por acaso. E o passeio é dois-em-um: você visita a missão antiga e também a basílica, construção de 1952 feita em anexo à missão, com vitrais e tetos coloridos. Tem também um mini-museu no complexo, com roupas de época de sacerdotes. Reserve pelo menos 1h para conhecer o lugar.

Sitehttp://www.missiondolores.org/

Endereço: 3321 Sixteenth Street, na esquina com a Dolores St, no bairro de Mission, em San Francisco. Fica perto da estação 16th Street do BART.

Preço: US$ 5.

Horário de funcionamento:  Abre diariamente, das 9h às 16h30 (de 1 de maio a 31 de outubro) ou das 9h às 16h (de 1 de novemebro a 30 de abril).

Mission Dolores. Foto: Marcelle Ribeiro

Mission Dolores. Foto: Marcelle Ribeiro

Mission Dolores. Foto: Marcelle Ribeiro

Mission Dolores. Foto: Marcelle Ribeiro

Mission Dolores e a basílica ao lado. Foto: Marcelle Ribeiro

Mission Dolores e a basílica ao lado. Foto: Marcelle Ribeiro

Basílica. Foto: Marcelle Ribeiro

Basílica. Foto: Marcelle Ribeiro

Mission Dolores. Foto: Marcelle Ribeiro

Mission Dolores. Foto: Marcelle Ribeiro

Mission Dolores. Foto: Marcelle Ribeiro

Mission Dolores. Foto: Marcelle Ribeiro

 

Dolores Park

Algumas coisas viram moda e a gente não entende bem a razão. Assim é o Dolores Park, em San Francisco. O parque em si não tem nenhum grande atrativo: é apenas um gramadão em uma área inclinada, sem um jardim lindo ou algo do tipo. Mas se você é moderninho e quer ver e ser visto, tem que ir para lá nos finais de semana de sol. O parque fica cheio de gente tomando sorvete, bebendo e brincando de bambolê. Tem também uma pequena área para recreação infantil. Quando eu fui, em março, uma boa parte da área estava interditada para melhorias, e cada metro quadrado era disputado. Mas é interessante a visita, mesmo que rapidinha. O parque fica entre as ruas Church, Dolores, 20th e 18th.

Dolores Park, em San Francisco. Foto: Marcelle Ribeiro

Dolores Park, em San Francisco. Foto: Marcelle Ribeiro

IMG_2046

Dolores Park, em San Francisco. Foto: Marcelle Ribeiro

 

Murais

Os melhores lugares para você ver os famosos murais de San Francisco são em Mission District e na Coit Tower (sobre os murais dessa torre eu já falei aqui). Os murais desses dois lugares, no entanto, são bem diferentes. Os da Coit Tower foram feitos por 25 artistas durante a Grande Depressão (década de 1930) e retratam, nas paredes internas da torre, a vida na Califórnia naquela época, mostrando trabalhadores do campo e de fábricas e também nas cidades. Já os de Mission District são grafites feitos nas paredes de ruas e vielas do bairro e levantam polêmicas sociais: há os que pregam a taxação dos ricos, os que reclamam do aumento dos aluguéis no bairro, os que falam de justiça social e que defendem o respeito aos direitos das mulheres. Eu adorei os murais de Mission. Vi os que ficam na rua Clarion Alley pois são os mais próximos do Dolores Park. Apesar de esta rua ser uma viela estreita e sem comércio, ela até tinha certo movimento de turistas. Eu consegui tirar fotos, mas confesso que rolou um certo medinho, porque, como eu já disse aqui no post, Mission District tem ruas perigosas. Há murais também na Balmy Alley, mas ela não é tão próxima do Dolores Park.

 

Murais de Mission District, em San Francisco. Foto: Marcelle Ribeiro

Murais de Mission District, em San Francisco. Foto: Marcelle Ribeiro

Murais de Mission District, em San Francisco. Foto: Marcelle Ribeiro

Murais de Mission District, em San Francisco. Foto: Marcelle Ribeiro

IMG_2057

Murais de Mission District, em San Francisco. Foto: Marcelle Ribeiro

Murais de Mission District, em San Francisco. Foto: Marcelle Ribeiro

 

Restaurantes e bares

Little Chiuauha – Eu comi uma quesadilla de queijo gostosa nesse restaurante mexicano, por apenas US$ 8,95 (sem taxas), que deu para dividir para 2 pessoas. Os nachos com molho são grátis. O lugar é pequeno, mas bonitinho. Fica no 581 da Valencia Street, perto da 17th Street. Abre de segunda a quinta das 11h às 22h, às sextas das 11h às 23h, aos sábados das 10h às 23h e aos domingos das 10h às 22h.

Bi-Rite Creamery – É uma das sorveterias mais famosas da cidade. Se você quiser escolher entre todos os sabores disponíveis, prepare-se para pegar uma fila de pelo menos 40 minutos (se não tiver paciência e topar tomar apenas uma casquinha do sabor do dia, há uma portinha em que o atendimento é mais rápido). Eu estava de bobeira, o dia estava quente, e resolvi pegar a fila. O sorvete é gostoso, mas honestamente não está entre os melhores que já tomei na vida. Uma casquinha com 2 bolas e dois sabores sai a US$ 4 (mais taxas). Endereço: 3692 18th St (bem pertinho do Dolores Park). Horário de funcionamento: de domingo a quinta-feira, das 11h às 22h e sextas e sábados das 11h às 23h.

Sorveteria Bi-Rite, em San Francisco. Foto: Marcelle Ribeiro

Sorveteria Bi-Rite, em San Francisco. Foto: Marcelle Ribeiro

 

Zeitgeist – É um pub bacana para tomar cervejas diferentes, em um ambiente descontraído e descolado. Eles têm uma área descoberta cheia de bancos e árvores, e no início da noite, mesmo em dias de semana, fica bem cheio. Achar onde sentar não é tarefa fácil. O bar serve algumas poucas opções de comida: salsichas e hambúrgueres. Evite tomar o vinho, não é legal. Endereço: 199 Valencia Street, na esquina com a Duboce Street, Mission District. Horário de funcionamento: diariamente, das 9h às 2h.

Kilowatt – Esse bar é para quem curte provar diversas cervejas (em média US$ 5 ou US$ 6 o pint) e prefere um lugar onde seja mais fácil encontrar uma mesa para sentar. Mas não espere petiscos: eles não servem nada. Endereço: 3160, 16th Street, no Mission District. Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 16h30 às 2h, sábados e domingos das 13h às 2h.

Amnesia – Fui lá para curtir o som de uma banda que em teoria é de jazz, mas é um jazz assim bem animado, que dá para dançar e tudo. E o melhor: em todas as quartas-feiras a apresentação de jazz é grátis! Achei o lugar, que na verdade é um bar com apresentações musicais diárias, super legal. O salão tem algumas mesas no canto (chegue cedo se quiser sentar), um balcão com bancos, um palco para a banda e um espaço bacana para o público que quiser dançar ou tomar um drink em pé mesmo. O cardápio inclui cervejas, vinhos e drinks diferentes, com prosecco.  Endereço: 853, Valencia Street, entre a 19th Street e a 20th Street, no Mission District. Consulte o site para ver os horários dos shows.

 

Reserve sua hospedagem em San Francisco pelo Booking clicando aqui e ajude o blog a ganhar uma pequena comissão sem pagar nada a mais! (saiba como funciona essa parceria aqui)

Ao reservar o seu carro pelo portal Rentcars por esse link, você compara preços de várias locadoras, consegue descontos e colabora com o Viciada em Viajar.

Contrate seguro de viagem internacional com desconto na Mondial clicando aqui.

 

Leia também: 

Onde é melhor comprar em San Francisco: outlet ou lojas do Centro?

Como andar de transporte público em San Francisco (EUA)

Veja o índice de posts sobre San Francisco

Compartilhar este artigo:
Publicado por Marcelle Ribeiro

Jornalista, baiana, mas há mais de 20 anos moradora do Rio de Janeiro. Nos seus mais de 30 anos de vida, já viajou sozinha e acompanhada. Casada com o Guilherme, petlover e viciada em pesquisar novos destinos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *