Maracajaú (RN): Passeio em piscinas naturais perto de Natal

postado por Marcelle Ribeiro e atualizado em: 24/10/2016
Compartilhar este artigo:

Um dos passeios mais populares para quem vai a Natal (RN) é mergulhar em piscinas naturais com peixinhos coloridos. É uma atração tipo “bate-volta”, porque as piscinas não ficam na capital propriamente dita, mas sim em cidades próximas, e você pode aproveitá-las em tours de dia inteiro.

Você tem duas opções. Ou pega um passeio para as piscinas de Maracajaú (que foi o que eu fiz) ou para as de Perobas (que não conheço). Ambos passeios normalmente são combinados com uma visita a uma “praia de rio”, no rio Punaú. Tá na dúvida de qual escolher? O blogueiro Ricardo Freire explica a diferença entre Maracajaú e Perobas neste post. Ah, vale esclarecer que no Rio Grande do Norte eles usam a palavra “parrachos” para se referir a piscinas naturais.

Fundamental é, antes de decidir que dia visitar as piscinas naturais, olhar a tábua de maré, para ver quando é melhor fazer o passeio. E você pode saber exatamente em que horário a maré estará baixa mesmo antes de comprar sua passagem de avião. Basta seguir o passo a passo deste post do Ricardo Freire, do Viaje na Viagem. Vá à piscina natural na hora em que a maré estiver mais baixa, pois verá mais peixinhos.

Procurando hotel? O Booking tem opções para todos os bolsos. Reserve por esse link, que tem o meu código, e ajude o blog.

Eu acabei decidindo pelo passeio a Maracajaú pois li que lá costuma haver mais peixes que em Perobas. Mas confesso que fiquei meio decepcionada com a quantidade de peixes.

É claro que, para ver muitos peixes, é preciso chegar na maré mais baixa do dia, mas nós chegamos lá bem perto do horário.

O meu passeio começou pelo rio Punaú. O guia da Natal Vans* me pegou no hotel e depois de pegar o restante dos passageiros, seguimos para um hotel à beira do rio Punaú. O lugar é bonito, com mesinhas à beira do rio, dunas e possibilidade de fazer passeio de caiaque e buggy. A praia fica a 100 metros dali. Mas como o nível do rio estava suuuuuuper raso, a água batia no meio das canelas e era preciso ficar sentado na areia para aproveitar. Há estrutura de restaurante no local. Para entrar, é preciso pagar uma taxa, que já está incluída no pacote do passeio.

DESCONTO DE 5% no Esquenta Black Friday para aluguel de carro na Rentcars, com o cupom NOVEMBER. Vale até 30/11, com retirada do carro até 31/12! Compare preços de várias locadoras!
IMG_3628

Rio Punaú, perto de Natal. Foto: Marcelle Ribeiro.

 

IMG_3629

Rio Punaú, perto de Natal. Foto: Marcelle Ribeiro.

Depois de 1h em Punaú, voltamos para a van para ir a Maracajaú. Neste dia, a maré mais baixa foi bem no meio do dia. Chegando a Maracajaú, fomos recepcionados no Ma-Noa Park, um parque aquático de frente para o mar, de onde saem lanchas para as piscinas naturais. O Ma-noa é super bem estruturado e lá mesmo aluguei uma câmera aquática para fotografar os peixinhos (R$ 25), já que não tenho uma.

De lancha que sai de frente do parque, leva-se 15 minutos até a base flutuante que fica nas piscinas. A cor do mar é de um azul incrível! Nesta base, pegamos o snorkel, os óculos e colete (já incluídos). É possível também alugar camisa que protege de raios UV (R$10). Os guias de flutuação orientam sobre os melhores lugares e lembram que naquela região, não dá pé. Aliás, essa é uma diferença grande das piscinas de Maracajaú para a de Perobas. Mesmo na maré super baixa, em Maracajaú não dá pé. Já em Perobas, dá.

A base flutuante tem até bar com drinks, área para tomar sol e espaço com sombra.

Nos deram 2 horas para fazer snorkel. O chato é que depois de 30 minutos mergulhando, eu fui picada por um besouro (!!!) no braço e nas mãos, e, como a dor era intensa, voltei imediatamente para o Ma-Noa assim que saiu a primeira lancha.

Como eu disse, não vi tantos peixes como eu imaginava. Aliás, foi uma das piscinas naturais com menos peixes a que já fui. Não sei se a câmera não ajudou (era bem simples), ou se foi a maré que já estava começando a encher (e os peixes rareando) mas as minhas fotos não ficaram lá essas coisas…

DSCN8290

Lancha que leva às piscinas naturais de Maracajaú. Foto: Marcelle Ribeiro.

 

Piscinas naturais de Maracajaú (RN). Foto: Marcelle Ribeiro.

Piscinas naturais de Maracajaú (RN). Foto: Marcelle Ribeiro.

DSCN8303

Peixinho nas piscinas naturais de Maracajaú. Foto: Marcelle Ribeiro.

DSCN8314

Peixinho nas piscinas naturais de Maracajaú. Foto: Marcelle Ribeiro.

DSCN8321

Peixinho nas piscinas naturais de Maracajaú. Foto: Marcelle Ribeiro.

DCIM101GOPRO

Base flutuante nas piscinas naturais de Maracajaú. Foto: Fluir (cortesia)

Em tese, lá tem até moréia, como mostra a foto da empresa que aluga as câmeras aquáticas, a Fluir.

Cortesias Fluir Imagens5

Moréia nas piscinas naturais de Maracajaú. Foto: Fluir (cortesia)

 

De volta das piscinas naturais, o guia nos deu até às 16h para almoçar no Ma-Noa e descansar. Como não há pratos individuais no parque, pedi um escondidinho de camarão, que estava gostoso, bem servido e com preço justo (R$ 35). Comi vendo o mar e depois tirei um delicioso cochilo nas charmosas “camas” que ficam em um jardim de frente para a praia.

Escondidinho de camarão do Ma-Noa Park. Foto: Marcelle Ribeiro.

Escondidinho de camarão do Ma-Noa Park. Foto: Marcelle Ribeiro.

Ma-Noa Park. Foto: Marcelle Ribeiro.

Ma-Noa Park. Foto: Marcelle Ribeiro.

Ma-Noa Park. Foto: Marcelle Ribeiro.

Ma-Noa Park. Foto: Marcelle Ribeiro.

Na volta a Natal, ainda tivemos uns 30 minutos para fazer compras em uma feirinha de artesanato com preços ótimos.

 

Reserve sua hospedagem em Natal pelo Booking clicando aqui e ajude o blog a ganhar uma pequena comissão sem pagar nada a mais! (saiba como funciona essa parceria aqui)

Ao reservar o seu carro pelo portal Rentcars por esse link, você compara preços de várias locadoras, consegue descontos e colabora com o Viciada em Viajar.

 

* O Viciada em Viajar ganhou o passeio a Punaú + Maracajaú de cortesia na Natal Vans. A alimentação, bebidas e aluguel de câmera foram pagos pelo blog.

 

Leia também:

Natal (RN): Onde ficar, onde comer e como ir do aeroporto à cidade

Roteiro de 8 dias pelo Rio Grande do Norte

Veja o índice de posts sobre Natal

Compartilhar este artigo:

Comentários

  1. Samanta
    20 jun 2017

    Suas dicas ajudaram muito.
    Quanto ao flutuador, fiquei com uma dúvida. Uma pessoas que não nada lá aquelas coisas consegue usar com segurança nos parrachos?
    Eu faço natação, mas meu esposo não então já viu né… ele não sabe nadar bem e tenho medo pq ele é meio doido… rsrsrs

    • 29 jun 2017

      Oi, Samanta,
      Quem não nada pode ficar em cima dos parrachos olhando a água ou flutuando na água com o colete (que eles dão para todo mundo). Se ele se sente tranquilo de colete (sem tocar o pé no chão) não haverá problema.
      Abs

  2. Tatiane
    07 jul 2017

    Puxa… não sei nadar então não sei se vale a pena. E as praias perto dos “parrachos”?

    • 08 jul 2017

      Oi, Tatiane,
      A praia perto dos Parrachos não é tão bonita não… É OK. Bonita mesmo é a cor da água nos parrachos. A da beira da praia é mais marrom.
      Bj

      • IVAN
        10 abr 2018

        Na região há várias praias bonitas sim: Perobas, Pititinga, Zumbi, Cabo de São Roque, Caraúbas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *