O que fazer em Guimarães: como conhecer o berço de Portugal

postado por Marcelle Ribeiro e atualizado em: 14/11/2019
Compartilhar este artigo:

Considerada uma ótima opção de bate-volta para quem está no Porto, Guimarães é chamada de “berço de Portugal”. A cidade é um prato cheio para quem gosta de história e quer entender um pouco mais sobre a formação do país. Mas… O que fazer em Guimarães? O maridão esteve por lá em agosto de 2019 e vai dar todas as dicas neste post!

Por que visitar Guimarães
O que fazer em Guimarães em 1 dia
Pontos turísticos de Guimarães
O que fazer em Guimarães com chuva
Com mais tempo? O que fazer nos arredores de Guimarães
Como chegar a Guimarães
Onde comer em Guimarães
Onde ficar em Guimarães

Essa frase é um dos símbolos de Guimarães. Foto: Maridão.

Por que visitar Guimarães

A cidade de Guimarães surgiu no século X, antes mesmo de Portugal ser considerado um país. O local começou a ser habitado após a Condessa Mumadona Dias ordenar a construção de um mosteiro e, pouco depois, de um castelo para defender os moradores dos ataques dos mouros.

Procurando hotel? O Booking tem opções para todos os bolsos. Reserve por esse link, que tem o meu código, e ajude o blog.

É lá também que teria nascido o Dom Afonso Henriques, que basicamente fundou Portugal. Em 1128, ele passa a dominar o chamado Condado Portucalense, pequena parte do atual território português, após a vitória na Batalha de São Mamede. Daí em diante, ele conquistou diversos territórios e foi proclamado Rei de Portugal em 1139.

 

estatua dom afonso henriques em guimaraes

Estátua de Dom Afonso Henriques, primeiro Rei de Portugal. Foto: Guilherme Calil.

O que fazer em Guimarães em 1 dia

Apesar de sua importância histórica, esta é uma cidade pequena e bem tranquila.  Por isso, em um dia, é possível conhecer os principais pontos turísticos da sua listinha de o que fazer em Guimarães. Neste mapa, marquei um trajeto a pé começando no Castelo de Guimarães, passando por outros pontos turísticos e chegando na estação de trem da cidade, onde é possível pegar o transporte para voltar para o Porto.

DESCONTO DE 5% no Esquenta Black Friday para aluguel de carro na Rentcars, com o cupom NOVEMBER. Vale até 30/11, com retirada do carro até 31/12! Compare preços de várias locadoras!

Pontos turísticos de Guimarães

Esse trajeto desenhado no mapa foi exatamente igual ao feito pelo maridão quando ele visitou Guimarães. Ele chegou de trem e pegou um táxi até o Castelo de Guimarães, que custou cerca de 6 euros (R$ 27). Daí em diante, todo o roteiro foi feito a pé. E essa é mesmo a melhor forma de conhecer a cidade, principalmente na região do Centro Histórico, onde está boa parte das atrações da lista de o que fazer em Guimarães.

1 – Castelo de Guimarães

Construído no século X por ordem da Condessa Mumadona Dias, o Castelo de Guimarães é um dos marcos da fundação de Portugal. Com mais de 1 mil anos, é claro que o projeto sofreu alterações e já passou por reformas, mas ele ainda está em bom estado. Nem precisa dizer que você não pode abrir mão de visitá-lo na hora de decidir o que fazer em Guimarães, né?

Black November até 21/11! Seguro saúde viagem internacional: escolha entre as melhores operadoras e pague com 15% de desconto com o cupom BLACK! Atendimento 24h em português!

Fachada do Castelo de Guimarães, que tem mais de 1 mil anos. Foto: Maridão.

Lá dentro, é possível passear pela muralha do castelo, que recebeu um piso de madeira para facilitar a caminhada. Na torre central, uma pequena exposição conta um pouco da história de Portugal e de Dom Afonso Henriques.

Turistas passeando pela muralha do Castelo. Foto: Maridão.

O Castelo de Guimarães fica na Rua Conde Dom Henrique e abre quase todos os dias do ano, exceto Natal, 1 de Janeiro, Páscoa e 1 de Maio. Ele funciona das 10h às 18h (última entrada às 17h30). O ingresso custa 2 euros (R$ 9,20), mas você pode comprar um bilhete combinado para o Castelo e o Paço dos Duques por 6 euros (R$ 27,60). Outras informações estão neste site.

2 – Igreja de São Miguel

Essa igreja é bem simples, feita toda de pedra, mas é muito representativa. Acredita-se que ela tenha sido o local de batismo de Dom Afonso Henriques, primeiro Rei de Portugal. Por lá, ainda é possível encontrar a pia batismal onde teria sido realizada a cerimônia. Além disso, há sepulturas subterrâneas de guerreiros da época da independência portuguesa.

Passeio guiado de 1 dia e ingressos sem fila? Contrate aqui!

Placa lembrando o batizado do primeiro Rei de Portugal. Foto: Guilherme Calil.

A igreja fica entre o Castelo de Guimarães e o Paço dos Duques e pode ser visitada rapidamente. A entrada é grátis e a igreja está aberta entre 10h e 18h. Ela só fica fechada no Natal, no Ano Novo, na Páscoa e no dia 1 de maio. Mais detalhes sobre a igreja estão neste site.

3 – Paço dos Duques de Bragança

Apesar do nome pomposo, esse palácio foi construído no século XV por Dom Afonso, filho bastardo de Dom João I, Rei de Portugal. Ele serviu como moradia apenas por um breve período e foi progressivamente abandonado até o século XX, quando foi realizada uma grande reforma para que o Paço fosse transformado em museu.

Fachada do Paço dos Duques, em Guimarães. Foto: Maridão.

Hoje é possível ver obras de arte dos séculos XVII e XVIII e também os grandes salões, contudo, sem as peças originais. Mesmo assim, vale o passeio e tem que estar na sua lista de o que fazer em Guimarães. Durante a visita do maridão, eles estavam realizando uma exposição temporária sobre instrumentos de tortura.

Parte de um tapete imenso no Paço dos Duques. Foto: Guilherme Calil.

O Paço dos Duques de Bragança fica na Rua Conde Dom Henrique, 3. Assim como o Castelo, ele abre quase todos os dias do ano, menos no Natal, 1 de Janeiro, Páscoa e 1 de Maio. O Paço abre das 10h às 18h e a última entrada é as 17h30. O ingresso custa 5 euros (R$ 23,10), mas você pode comprar um bilhete combinado para o Castelo e o Paço dos Duques por 6 euros (R$ 27,60). Outras informações sobre o Paço estão neste site.

4 – Largo da Oliveira – Centro Histórico

Depois de visitar as atrações do Paço dos Duques, a dica é caminhar pelas ruas estreitas do Centro Histórico de Guimarães, patrimônio da Humanidade. Ao longo do caminho até o Largo da Oliveira, você encontra pequenas praças e prédios históricos da cidade. Também é possível encontrar lojinhas de lembranças e de doces. Imperdível!

Até dia 30/11/19 tem 20% de desconto do chip internacional para celular. Saia do Brasil já com internet. Clique aqui e use o cupom NOVEMBER.

Turistas aproveitando o Largo da Oliveira, em Guimarães. Foto: Maridão.

Depois de uma pequena caminhada, você chega até o Largo da Oliveira, que tem esse nome por causa de uma planta secular. Por lá, vários restaurantes se espalham pelo largo e é possível sentar para tomar um café ou almoçar apreciando a vista e o movimento.

5 – Igreja Nossa Senhora da Oliveira

Em um dos cantos do largo está a Igreja Nossa Senhora da Oliveira, que não tem uma data de fundação definida, mas foi remodelada no século XIV por Dom João I como cumprimento de uma promessa após a vitória em uma batalha.

Altar principal da Igreja Nossa Senhora da Oliveira. Foto: Guilherme Calil.

O interior dela é bonito, com toda a estrutura feita em pedra. Pra quem gosta de arte sacra, uma rápida visita à sacristia da igreja revela alguns artefatos e custa apenas 2 euros (R$ 9).

A Igreja Nossa Senhora da Oliveira tem entrada gratuita e funciona de segunda a sábado das 08h30 às 12h e das 15h30 às 19h30. Aos domingos, a igreja está aberta das 9h às 13h e das 17h às 20h. Outras informações estão neste site.

6 – Largo do Toural (Aqui Nasceu Portugal)

Considerado até hoje como o coração da cidade, o Largo do Toural era um local que, séculos atrás, ficava fora dos muros que protegiam Guimarães. Era lá que se realizavam feiras, principalmente para a venda de gado.

Depois de várias reformulações, o Largo se transformou em uma praça com um belo chafariz. Por lá, cafés e lojas estão espalhados e permitem um momento de descanso.

Parte do Largo do Toural, principal praça de Guimarães. Foto: Maridão.

É lá também que está um símbolo muito fotografado por turistas: a frase “Aqui nasceu Portugal” em um grande muro de pedra. E se fazer essa foto é importante pra vc, bom, então, mais um local obrigatório quando falamos de o que fazer em Guimarães.

7 – Largo do Brasil

Já caminhando de volta para a estação de trem, Guimarães reserva duas últimas atrações: o Largo do Brasil e a Igreja de São Guálter.

O Largo do Brasil é, na verdade, um grande jardim. Em agosto, ele estava super bonito, com flores de diversas cores e muito bem cuidadas e se você for numa época que não seja o inverno, é visita obrigatória na hora de decidir o que fazer em Guimarães. Além disso, uma fonte também faz parte da decoração.

O jardim do Largo do Brasil é um dos destaques de Guimarães. Foto: Maridão.

8 – Igreja de São Guálter

Em uma das pontas do largo está a Igreja de São Gualter, construída no século XVII. Ela também é conhecida como Igreja de Nossa Senhora da Consolação e Santos Passos. Tem uma bela fachada e o interior também é bem interessante.

A igreja tem entrada gratuita e está aberta todos os dias. De segunda a sábado, das 07h30 às 12h e das 15h às 17h. Aos domingos, das 7h30 às 12h.

O que fazer em Guimarães com chuva

Não vou dourar muito a pílula. A chuva pode atrapalhar bastante seu passeio por Guimarães. Isso porque o maior charme da cidade é justamente caminhar na região do Centro Histórico, onde não passam carros nas ruas mais estreitas.

Se você não tiver alternativa, a melhor ideia é caprichar no guarda-chuva e focar o passeio nos locais mais fechados, como a Igreja de São Miguel, o Paço dos Duques de Bragança e as Igrejas Nossa Senhora das Oliveiras e de São Guálter.

Parte do altar da Igreja de São Guálter. Foto: Maridão.

O Castelo vai ter a visita comprometida porque grande parte dessa atração fica a céu aberto, assim como os Largos do Toural e do Brasil.

Como o transporte entre Porto e Guimarães é bem simples, recomendo que você cheque a previsão do tempo antes de decidir conhecer o “berço de Portugal”.

Com mais tempo? O que fazer nos arredores de Guimarães

Se você tiver um pouquinho mais de tempo (ou de fôlego), sua lista de o que fazer em Guimarães pode ser incrementada com o teleférico da cidade , que liga o Centro Histórico e a Montanha da Penha. Um bilhete de ida e volta custa 7,50 euros (R$ 34,60) e o passeio dura cerca de 10 minutos. Você consegue outras informações neste site.

Já que você vai passear de teleférico, aproveite para conhecer a Montanha da Penha, uma grande área verde que abriga um santuário, restaurantes, bares e áreas de piquenique. Tem até um campo de mini-golfe!

Se você prefere ver obras de arte, acrescente à listinha de o que fazer em Guimarães uma visita ao Museu Alberto Sampaio, que fica no Centro Histórico. Ele foi criado no século passado para abrigar obras de igrejas e conventos da região. A entrada custa 3 euros (R$ 13,85) e todas as informações estão no site oficial.

Nos arredores de Guimarães

Para quem curte natureza, uma opção é incluir uma visita ao Parque Nacional da Peneda-Gerês na hora de decidir o que fazer em Guimarães. Há tours de um dia para o local, que é Patrimônio Mundial da Unesco, com suas cachoeiras, floresta, mirante e lagoa.

Fachada do Museu Alberto Sampaio. Foto: Divulgação.

Uma outra alternativa é dormir uma noite em Guimarães para conhecer Braga no outro dia. A distância entre as duas cidades é de apenas 24 quilômetros.

Se Guimarães é o lugar onde você pretende ficar hospedado no norte de Portugal, não deixe de fazer pelo menos um bate-volta até Porto. Este post tem um roteiro com tudo que você precisa fazer em um dia por lá!

Outra sugestão de bate-volta a partir de Guimarães é um tour que inclui as cidade de Ponte de Lima, Viana do Castelo e Arcos de Valdevez, que inclui visitas a um palácio barroco, ruelas pitorescas, área rural com visita a vinícola, e fortaleza.

Para finalizar as dicas dos arredores, uma ideia é fazer um tour de dia inteiro saindo de Guimarães para conhecer duas vinícolas que produzem vinho verde.

Como chegar a Guimarães

Guimarães fica a cerca de 55 quilômetros do Porto. Para fazer o bate-volta, você pode ir para Guimarães de trem, ônibus ou de carro.

De trem

A maneira mais tranquila é o trem (ou comboio, como os portugueses chamam). Saindo do Porto, você pode escolher as estações São Bento ou Campanhã (a que ficar mais perto do seu hotel). Os trens entre Porto e Guimarães são regulares e saem quase toda hora, começando às 6h20. No total, a viagem dura cerca de 1h15 porque o comboio vai parando nas estações de pequenas cidades que ficam no caminho. A passagem custa 3,25 euros (R$ 15) e você pode comprar nos guichês das estações.

O ideal é deixar para comprar na hora mesmo. Não há assentos marcados no trem e isso deixa você mais livre para voltar a hora que você quiser. Você pode consultar todos os horários no site da Comboios de Portugal.

O Largo do Brasil e a Igreja de São Guálter ao fundo. Foto: Maridão.

De carro

Já para quem prefere viajar de carro, o trajeto entre Porto e Guimarães pode ser feito em cerca de 1 hora pela rodovia A3. Porém, fique atento: além do combustível, leve em conta o custo do pedágio. O site da Via Michelin ajuda você a calcular quanto você vai gastar com esses dois itens neste trajeto.

Além disso, o carro não pode circular pelas pequenas ruas do Centro Histórico de Guimarães. Você vai precisar estacionar em algum ponto e isso pode tornar tudo menos prático.

De ônibus

Se você quiser, também pode fazer o trajeto entre Porto e Guimarães de ônibus, mas não vale muito a pena. O tempo de viagem é quase o mesmo do trajeto de trem e a passagem custa 6 euros (R$ 27), quase duas vezes mais caro. Além disso, o primeiro ônibus entre Porto e Guimarães sai às 9h15. Você pode conferir as opções na Rede Expressos.

De excursão

Quem preferir, pode ir do Porto a Guimarães em uma excursão em grupo, ou mesmo privada. Muitas delas vão a Guimarães e Braga no mesmo dia.

Onde comer em Guimarães

Quando esteve por lá, o maridão fez apenas 1 refeição. Ele almoçou no restaurante Mumadona após uma indicação feita pelo taxista que levou da estação de trem até o Castelo de Guimarães. Porém, a dica se revelou uma furada.

O restaurante estava super cheio e o serviço não foi muito bom. A comida não era muito saborosa. Ele e o pai dividiram um prato de pataniscas de bacalhau com arroz de feijão, um prato típico de Portugal. Eles estranharam porque vinha repolho cozido junto com o arroz de feijão, que estava mais líquido do que os outros que eles comeram ao longo da viagem.

Pataniscas de bacalhau no Mumadona. Foto: Maridão.

Já a mãe dele pediu peixe com batatas fritas. A porção não era muito grande e faltou um pouquinho de sal. Além disso, todos comeram um bolinho de bacalhau e tomaram refrigerantes. No final, a conta ficou em 9 euros (R$ 41,50) para cada um.

Se você preferir, existem vários outros restaurantes no Centro Histórico, principalmente no Largo da Oliveira. Pode valer a pena explorar um deles.

Para completar as dicas de gastronomia, não deixe de provar o Pastel de Guimarães, feito com massa folhada e um creme de ovos como recheio. Custa cerca de 2 euros (R$ 9) e é fácil de encontrar. Uma delícia! Pena que o maridão não tirou foto…

Onde ficar em Guimarães

Apesar de ser uma cidade pequena, Guimarães tem uma boa oferta de hotéis para quem deseja fazer dela um ponto de apoio para uma viagem pelo norte de Portugal.

O maridão não ficou por lá durante a viagem, mas separo aqui 3 dicas de hotéis para quem busca onde ficar em Guimarães. Todos ficam perto do Centro Histórico e têm avaliações acima de 8, critério que sempre usamos aqui em casa na hora de procurar um hotel. Lembrando que os comentários estão abertos para quem quiser dar dicas de hospedagem!

O primeiro é o Dom José Alojamentos, que fica na Rua de Gil Vicente, 84, bem pertinho do centro histórico.

Foto do quarto do Dom José Hotel. Foto: Booking.

O segundo é o Stay Hotel Guimarães Centro, que fica perto da estação de trem, o que pode ser uma boa para quem pretende fazer alguns bate-voltas.

Recepção do Stay Hotel Guimarães Centro. Foto: Booking.

Para concluir, deixo aquela dica básica: a rede de hotel Ibis. A vantagem dele é que você já sabe o que vai encontrar em quase todos os lugares do mundo. Ele também fica perto do Centro Histórico.

Fachada do Ibis, em Guimarães. Foto: Booking.

Leia mais:

Compartilhar este artigo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *