O que fazer na Filadélfia + onde ficar + como se locomover

postado por Marcelle Ribeiro e publicado em 26/02/2019 - Atualizado em: 04/06/2019
Compartilhar este artigo:

Quem vai viajar pela Costa Leste dos Estados Unidos, principalmente para Nova York ou Washington, deve considerar dar uma passadinha na Filadélfia, uma cidade com muita história para contar e super agradável de conhecer. O maridão esteve na cidade do amor fraternal por dois dias em setembro de 2018 e adorou! É claro que eu pedi todas as dicas dele pro blog, né? Quer saber o que fazer na Filadélfia? É só seguir as dicas abaixo!

O que fazer na Filadélfia. Vista do Love Park com o Museu de Arte no fundo.

Filadélfia tem um centro histórico lindo e compacto. Foto: Guilherme Calil.

O que fazer na Filadélfia: Dia 1

Benjamin Franklin Museum

Museu que conta um pouco da história de Benjamin Franklin, famoso inventor e um dos líderes que assinou a declaração de independência dos Estados Unidos. A exposição é dividida em cinco salas e tem atrações que interagem com os visitantes.

A entrada custa U$ 5 e o museu está aberto todos os dias, das 09h às 17h.

Procurando hotel? O Booking tem opções para todos os bolsos. Reserve por esse link, que tem o meu código, e ajude o blog.
O que fazer na Filadélfia. Benjamin Franklin Museum conta a história do inventor e político americano.

Entrada do Benjamin Franklin Museum. Foto: Guilherme Calil.

O museu fica em um terreno que também já foi a casa de Benjamin Franklin. No jardim, que tem entrada gratuita, é possível ver uma estrutura que mostra como era a construção.

O endereço do museu é 317, Chestnut Street.

 

Pensando em alugar um carro? Compare em mais de 100 locadoras com a Rentcars! Pague parcelado em até 12X!
Pensando em alugar um carro? Compare em mais de 100 locadoras com a Rentcars! Pague em reais, sem IOF e parcelado em até 12X!

Independence Visitor Center

É o centro de informações onde você fica sabendo o que está acontecendo na Filadélfia e onde você organiza a sua visita pelo centro histórico. Ele fica no Independence National Memorial Park, que preserva lugares importantes durante o processo de independência dos Estados Unidos.

Fachada do Independence Visitor Center

O Independence Visitor Center tem infos dos marcos históricos. Foto: Guilherme Calil.

É lá que você consegue a senha para visitar o Independence Hall, onde foi assinada a independência americana. Não tem como escolher horário porque as senhas são distribuídas por ordem de chegada. O ideal é chegar cedo para garantir a visita. O Centro abre todos os dias (menos no Natal e no Dia de Ação de Graças), das 08h30 às 18h. A entrada é gratuita.

Independence Hall

Como expliquei um pouco acima, esse é o prédio onde a declaração da independência foi assinada. Além disso, a Constituição dos Estados Unidos foi discutida e assinada neste mesmo prédio. Para os americanos, esse é um dos lugares mais importantes do país e ele está sempre lotado de turistas que querem conhecer um pouco mais da história.

Fachada do Independence Hall

O Independence Hall é um importante para a história dos EUA. Foto: Guilherme Calil

Para visitar, é preciso pegar a senha no Independence Visitor Center e chegar com uma antecedência de 30 minutos para passar pelos procedimentos de segurança.

Todas as visitas são guiadas e é possível ver como o local foi bem preservado. Com isso, você acaba sabendo um pouco mais da história e também algumas curiosidades sobre a história do país. O tour pelo Independence Hall demora cerca de 30 minutos.

Interior do Independence Hall está super preservado

Interior do Independence Hall está super preservado. Foto: Guilherme Calil

Nos meses de janeiro e fevereiro, não é preciso pegar a senha para fazer a visita.

Liberty Bell Center

É o prédio que abriga o Liberty Bell, um dos símbolos da independência americana. Ele foi tocado para chamar os moradores da Filadélfia para ouvir a leitura da declaração que separou os Estados Unidos do Reino Unido.

Antes de ver o sino, o visitante também passa por uma exposição que conta um pouco da história (e explica a razão de ele estar rachado) e como ele foi usado por diversos outros movimentos sociais dos Estados Unidos como um símbolo.

O Liberty Bell é muito procurado pelos turistas na Filadélfia.

O Liberty Bell é muito procurado pelos turistas na Filadélfia. Foto: Guilherme Calil.

A entrada é gratuita e o Liberty Bell Center fica aberto todos os dias, das 09h às 17h.

 

Reading Terminal Market

Depois de conhecer um pouco da história americana, nada como matar a fome, né? O lugar ideal para fazer isso na Filadélfia é o Reading Terminal Market, que funciona no mesmo lugar há mais de 120 anos!

Letreiro clássico do Reading Terminal Market.

Letreiro clássico do Reading Terminal Market. Foto: Guilherme Calil.

Por lá, você encontra todo o tipo de comida e também pode comprar frutas, legumes e produtos feitos nas fazendas da região. Uma outra curiosidade é que o mercado abriga um grande número de comerciantes amish, que vendem doces deliciosos e outras iguarias.

Corredores do Reading Terminal Market cheios de lojas.

Corredores do Reading Terminal Market cheios de lojas. Foto: Guilherme Calil.

O Guilherme recomenda a Beiler’s, que vende donuts incríveis e de recheios diferentes, e a sorveteria Bassetts, que é a mais antiga dos Estados Unidos.

Não coma o famoso Philly Cheesesteak por lá. Tem outra dica para comer o sanduíche mais famoso da cidade abaixo.

O Reading Terminal Market funciona todos os dias, das 08h às 16h, mas nem todas as lojas seguem este horário, principalmente no domingo.

 

Philadelphia City Hall

O prédio da Prefeitura de Filadélfia é o maior deste tipo em todo os Estados Unidos e chegou a ser o mais alto do mundo.

Ele fica no centro de uma enorme praça e tem um mirante no alto, mas o Guilherme não chegou a visitar.

sede da Prefeitura da Filadélfia

A sede da Prefeitura da Filadélfia já foi o maior prédio do mundo. Foto: Guilherme Calil.

Quem quiser fazer a visita, pode comprar bilhete no centro de informações ou pelo site. O ingresso custa US$ 8. O prédio está aberto de segunda a sexta, das 09h30 às 16h15, e em alguns sábados.

 

Love Park

É o apelido para a Praça John F. Kennedy, que fica no centro da cidade, pouco depois da Prefeitura.

Escultura "Love" no centro da praça na Filadélfia.

Escultura que praticamente dá nome à praça. Foto: Guilherme Calil.

A praça ficou conhecida por causa da escultura “Love”, feita por Robert Indiana. É lá que os turistas buscam os melhores cliques da cidade, mas também é onde os moradores da Filadélfia conseguem se divertir no gramado, nas mesas de jogos ou apenas com alguns artistas de rua e suas performances.

Pessoal aproveitando o gramado do Love Park.

Pessoal aproveitando o gramado do Love Park. Foto: Guilherme Calil.

Seguro Viagem: EUA
AC 150 + TELEMEDICINA Assistência médica USD 150.000 Bagagem extraviada USD 1.200 (COMPLEMENTAR) R$ 21/dia*
TA 100 Assistência médica USD 100.000 Bagagem extraviada USD 1.200 R$ 22/dia*

Pat’s King of Steaks

Depois de caminhar um bocado ao longo do dia, o maridão foi lanchar no Pat’s King of Steaks, em South Philly, onde surgiu o Philly Cheese Steak. O sanduíche é um verdadeiro ícone da Filadélfia e tem carne cortada em lâminas, creme de queijo e cebola em um pão que parece o francês.

Fachada do Pat's King of Steak

Pat’s deu fama ao sanduíche Philly Cheese Steak. Foto: Guilherme Calil.

A Pat’s é uma das lanchonetes mais tradicionais da cidade e funciona 24 horas por dia. Normalmente, as pessoas chegam a esperar 30 minutos na fila, mas o Guilherme deu sorte e ela estava vazia. O lanche completo (sanduíche, batata frita e refrigerante) custou US$ 14,90.

É possível ir de transporte público, mas o Guilherme sugere que as pessoas usem táxi, especialmente se forem à noite, porque as ruas na região estavam vazias.

Lanche no Pat's King of Steak

Lanche custa cerca de US$ 15 e satisfaz uma pessoa. Foto: Guilherme Calil.

O Pat’s King of Steaks fica na 1237 E Passyunk Avenue.

O que fazer na Filadélfia: Dia 2

Rocky Statue e Rocky Steps

Mesmo sendo um personagem do cinema, Rocky acabou também tão associado à cidade que ganhou uma estátua! Afinal, quem não se lembra da cena clássica do Sylvester Stallone subindo os degraus do Museu de Arte da Filadélfia durante treinamentos nos clássicos Rocky e Rocky 2?

Os famosos "Rocky Steps", no Museu de Arte da Filadélfia

Os famosos “Rocky Steps”, no Museu de Arte da Filadélfia. Foto: Guilherme Calil.

E é justamente isso que vários turistas fazem quando visitam o Museu: sobem correndo a escada e comemoram a chegada como o Rocky. Quando você chega lá em cima, é possível ter uma vista bem legal da cidade. Muitos visitantes tiram foto, mas é preciso tomar cuidado com alguns espertinhos, principalmente se você estiver sozinho. Eles se oferecem para tirar a sua foto, mas depois cobram caro por isso. O cara queria cobrar US$ 20 do Guilherme, mas acabou ficando com 2 dólares.

Estátua do Rocky fica perto do Museu de Arte da Filadélfia.

Estátua do Rocky fica perto do Museu de Arte da Filadélfia. Foto: Guilherme Calil.

A estátua fica em um jardim no pé da escada e é muito procurada para fotos. Vale a pena conferir!

 

Se tiver mais tempo…

Depois desse passeio, o Guilherme se preparou para ver um jogo de baseball do Philadelphia Phillies, que vou contar em outro post. Por isso, não visitou outros lugares que também podem ser interessantes, como o Museu de Arte da Filadélfia, o National Constitution Center, o Museum of the American Revolution e o Penn’s Landing.

Lado de fora do Museum of American Revolution.

Lado de fora do Museum of American Revolution. Foto: Guilherme Calil.

Quem quiser alguns detalhes sobre essas e outras atrações, pode conferir neste post do Viajonários.

 

Onde ficar na Filadélfia

Tente se hospedar no centro da cidade. Como muitas atrações ficam por lá, você pode economizar tempo e dinheiro ficando na região. O Guilherme se hospedou no Apple Hostels of Philadelphia, mas ele só recomenda para quem tem disposição de subir escadas e não se incomoda em dividir banheiro. O hostel não tem elevador e também não oferece café da manhã.

Quarto do Apple Hostel, no centro da Filadélfia.

Quarto do Apple Hostel, no centro da Filadélfia. Foto: Guilherme Calil.

Os quartos são arrumados e o hostel tem uma ótima área de convivência, mas a falta do elevador torna complicado carregar as malas.

 

Como se locomover na Filadélfia

O transporte público na Filadélfia funciona bem. O metrô te deixa bem perto de todos os lugares mais procurados e o ônibus pode complementar o passeio. Para usar o transporte público, é preciso comprar um cartão da empresa que cuida do sistema, a Septa. Um passe diário custa US$ 13,95 e você pode fazer quantas viagens quiser.

Se você chegar pelo aeroporto, como foi o caso do Guilherme, é possível sair de lá usando o trem. O preço está incluído no passe diário. Dependendo do seu local de destino, é preciso fazer uma baldeação na Jefferson Station.

Também é possível usar o metrô para a estação de trem. Essa foi a opção do Guilherme quando deixou a cidade, já que ele foi para Washington de trem. O bilhete simples do metrô custa US$ 2,50.

 

Conclusão

Em conclusão: o que fazer na Filadélfia é o que não falta! É possível conhecer boa parte das atrações de lá durante uma caminhada. Os marcos históricos ficam em uma área concentrada e dá para ver muita coisa em apenas um dia. Se você quer conhecer todos os museus por dentro, separe mais tempo (e dias) na cidade.

 

Leia também:

Compartilhar este artigo:

Comentários

  1. Olá Marcelle!
    Excelente post! Adorei as informações e dicas que você passou.
    E super obrigada por citar o Viajonários!
    Desejo muitas viagens incríveis pelo mundo! 🙂
    Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *