Sul de Santa Catarina: Roteiro de 5 dias, onde ficar e quando ir

postado por Marcelle Ribeiro e atualizado em: 29/09/2016
Compartilhar este artigo:

Santa Catarina é muito mais do que Floripa. Sim, a capital tem belas praias e lagoas (veja mais sobre a cidade aqui), mas o Sul do estado também tem lugares muito bonitos para quem curte praia. No fim de 2015, eu e minha irmã passamos o Réveillon na região e em 5 dias fizemos um roteiro conhecendo lindas praias em cidades próximas umas das outras: Guarda do Embaú, Pinheira (que oficialmente pertencem à cidade de Palhoça), Garopaba e Praia do Rosa (que pertence à cidade de Imbituba).

Alugar um carro foi uma ótima ideia, pois tivemos liberdade para ir de um lugar para o outro sem depender de horários de ônibus (sim, há transporte público ligando uma cidade à outra, mas confesso que nem cheguei a pesquisar muito sobre eles).

(Nós alugamos o carro pela portal Rentcars, empresa com quem o blog acaba de fechar parceria. Alugue de forma prática por esse link, consiga ótimos preços e ajude o blog).

Procurando hotel? O Booking tem opções para todos os bolsos. Reserve por esse link, que tem o meu código, e ajude o blog.

 

Quando ir

Uma das vantagens dessa região é, além da beleza das praias, o fato de mesmo na alta estação, ela não ficar super engarrafada como acontece com Florianópolis e outras cidades do litoral catarinense, como Balneário Camboriú e Bombinhas (ambas ao Norte de Floripa).  Na capital e nos municípios ao Norte, em períodos como Réveillon, Carnaval e durante os meses de janeiro e fevereiro, leva-se 2h de carro para percorrer trechos curtos e dizem que o trânsito fica pior que o de São Paulo. Explico: é que estas cidades têm a “população” multiplicada nessa época, com a “invasão” de turistas paulistas, gaúchos, paranaenses, argentinos e uruguaios. E os engarrafamentos não acontecem apenas na estrada, mas também no interior das cidades.

Já no litoral sul-catarinense, o tráfego flui melhor. Nós pegamos engarrafamento apenas dentro de Garopaba, em um fim de tarde, e já no retorno a Florianópolis (levamos 1h para percorrer os 7km finais até a capital).

DESCONTO DE 5% no Esquenta Black Friday para aluguel de carro na Rentcars, com o cupom NOVEMBER. Vale até 30/11, com retirada do carro até 31/12! Compare preços de várias locadoras!

Explicada essa questão do trânsito, vamos falar do clima.

Ir no verão, como eu fui, tem seus prós e contras. Por um lado é quando a água do mar está mais agradável (no inverno ela fica tão gelada que até os catarinenses só entram se for de roupa de neoprene), e a temperatura está quentinha na medida certa. Mas, por outro, corre-se o risco de pegar chuva. No Réveillon, dos nossos 5 dias, 1 foi de solzão, 2 foram de chuvinha fina e chata o dia inteiro com céu super nublado, e 2 foram de sol entre nuvens. Ou seja, é loteria.

O blogueiro Ricardo Freire, do excelente Viaje na Viagem, recomenda ir ao litoral catarinense entre março e abril, pois ainda está quentinho e chove menos. Eu sugiro que você dê uma olhada no site da Climatempo e veja as médias de temperatura e chuva mês a mês da cidade onde você pretende ir e decida a partir daí. Entre no site da Climatempo, vá no campo de busca no lado direito, na parte superior, coloque o nome da cidade e, na página que abrir, desça a barra de rolagem até aparecer a “Média mensal climática dos últimos 30 anos”. Clique na setinha ao lado da expressão “Média mensal climática dos últimos 30 anos” e aparecerá a temperatura e precipitação médias das 3 últimas décadas.

 

Onde ficar

Todas as regiões que visitamos (Guarda do Embaú, Pinheira, Garopaba e Praia do Rosa) têm pousadas. Mas como a nossa ideia era ficar em uma delas e fazer bate-voltas para as demais, tivemos que escolher uma cidade-base. Acabamos nos decidindo por Guarda do Embaú, motivadas pela beleza da praia e por ser uma vila com restaurantes e lojinhas bonitinhos, em que se pode andar a pé, em um clima bem descontraído.

Outra cidade que pode ser interessante para montar base é Garopaba, pois ela fica exatamente entre Guarda do Embaú e Praia do Rosa. Mas saiba que as praias mais centrais de Garopaba não são tão bonitas. As que mais se destacam no quesito beleza são Ferrugem e Silveira, um pouco afastadas do centro da cidade. Destas, só conheci Ferruguem e fiquei apaixonada: a água do mar é linda, e há na região várias pousadas e restaurantes. Ela pode, portanto, ser uma boa base para se hospedar.

A Praia do Rosa, apesar de ser uma graça, com muitos restaurantes, baladas e bares, não é tão indicada para cidade-base para bate-voltas, pois as ruas são mais estreitinhas, e há trânsito, principalmente nos horários em que a galera está chegando na praia, ou saindo dela.

Em Guarda do Embaú, nós nos hospedamos na pousada Anjo da Guarda, que não recomendo e onde eu não voltaria a ficar. Depois de duas noites lá, a água da pousada começou a ficar super escura, barrenta. Os donos disseram que a região sofre com problema de falta d’água e que aquela água era do poço deles. O problema é que ela não passa por filtro de limpeza e o poço fica próximo da fossa da pousada. Ou seja, nenhuma garantia de que aquela água era própria para uso. E o pior: a pousada a utiliza inclusive para lavar os pratos do café da manhã.

Nos mudamos, então para uma pousada em outra região, na Praia do Rosa, chamada Regina Guest House. Adoramos! Além de não ter problema de água (até porque a pousada tem uma cisterna própria), ela é uma graça, super bem decorada, em uma área bem arborizada, com um café da manhã delicioso e atendimento nota dez. A localização também é ótima: a 5 minutos a pé de restaurantes, lanchonetes e bares, e perto da praia (fica bem no meio da Praia do Rosa).

 

Pousada Regina Guest House, na Praia do Rosa. Foto: Marcelle Ribeiro

Pousada Regina Guest House, na Praia do Rosa. Foto: Marcelle Ribeiro

Roteiro de 5 dias de viagem

Depois de pousar em Florianópolis no fim da noite, retiramos o carro previamente alugado no aeroporto e dirigimos até Guarda do Embaú, onde chegamos de madrugada e fomos direto dormir. Por isso, a viagem “começou” mesmo no dia seguinte. Abaixo, um resumo do roteiro. À medida que eu escrever os posts com detalhes sobre cada um desses lugares, vou colocando os links.

 

Dia 1 – Guarda do Embaú – Passamos o dia 31 de dezembro na praia da Guarda do Embaú, que pertence ao município de Palhoça, curtindo um sol delicioso. Almoçamos na vila e à noite, fizemos um lanche na pousada antes de ir para a praia ver os fogos. A balada do Ano Novo foi no bar mexicano Los Frick, ótima (Leia mais sobre a Guarda do Embaú aqui).

Praia de Guarda do Embaú. Foto: Marcelle Ribeiro

Praia de Guarda do Embaú. Foto: Marcelle Ribeiro

Dia 2 – Praia de Pinheira – Distante cerca de 4km de Guarda do Embaú e também pertencente à cidade de Palhoça, Pinheira é uma região interessante para fazer trilha e ver o mar de outra maneira. Foi o que fizemos, apesar do dia meio chuvoso e super nublado (Leia mais sobre a trilha e Pinheira aqui)

Vista da Praia do Maço, uma das praias de Pinheira. Foto: Marcelle Ribeiro.

Vista da Praia do Maço, uma das praias de Pinheira. Foto: Marcelle Ribeiro.

Dia 3 – Garopaba – Fizemos um bate-volta para a praia de Ferrugem, na cidade de Garopaba, que fica a 54km de Guarda do Embaú. O tempo estava nubladão e chuviscando, mas deu para caminhar na areia, subir nas pedras do canto da praia e ver o mar lindíssimo. Almoçamos por lá. (Saiba mais sobre Garopaba aqui).

Praia de Ferugem, em Garopaba. Foto: Marcelle Ribeiro

Praia de Ferugem, em Garopaba. Foto: Marcelle Ribeiro

Dia 4 – Praia do Rosa – Rosa Norte – Conhecemos uma das pontas da Praia do Rosa chamada Rosa Norte, que reúne surfistas e muita gente jovem, endinheirada e fã de balada (Leia sobre a Praia do Rosa neste post).

Praia do Rosa, Rosa Norte. Foto: Marcelle Ribeiro.

Praia do Rosa, Rosa Norte. Foto: Marcelle Ribeiro.

Dia 5 – Praia do Luz e Praia do Rosa – Fizemos uma trilha até a Praia do Luz, que assim como a Praia do Rosa pertence à cidade de Imbituba, mas é bem deserta, sem qualquer estrutura de apoio ou lazer. De lá, fizemos outra trilha, mais curta, para a região da Praia do Rosa chamada Rosa Sul, que tem barracas de praia grandes, restaurantes e até chuveiro com água doce pertinho do mar (Leia sobre a Praia do Rosa e a Praia do Luz neste post). No fim da tarde, voltamos para Florianópolis e no dia seguinte, pro Rio.

Vista da trilha da Praia do Rosa  para a Praia do Luz. Foto: Marcelle Ribeiro

Vista da trilha da Praia do Rosa para a Praia do Luz. Foto: Marcelle Ribeiro

Gostei do nosso roteiro, pois nos permitiu conhecer o melhor da região. Se eu tivesse mais um dia, teria ido à praia do Silveira, em Garopaba, que dizem que é linda (mas o acesso não é tão fácil).

Seguem as distâncias para ajudar vocês:

Florianópolis (Centro) – Guarda do Embaú: 54km

Guarda do Embaú – Garopaba (Ferrugem): 54 km

Garopaba – Praia do Rosa: 16km

Guarda do Embaú – Praia do Rosa: 47 KM

Guarda do Embaú – Pinheira: 4,2km

 

Reserve sua hospedagem em Guarda do Embaú pelo Booking clicando aqui e ajude o blog a ganhar uma pequena comissão sem pagar nada a mais! (saiba como funciona essa parceria aqui)

Ao reservar o seu carro pelo portal Rentcars por esse link, você compara preços de várias locadoras, consegue descontos e colabora com o Viciada em Viajar.

 

Leia também:

Índice de posts sobre Guarda do Embaú

Todos os posts sobre a Praia do Rosa

Tudo que você precisa saber sobre Garopaba

A lista completa de posts sobre Florianópolis

Compartilhar este artigo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *