Siena: cidade imperdível na Itália

postado por Marcelle Ribeiro em 07/06/2011 - Atualizado em: 12/11/2017
Compartilhar este artigo:

O meu último dia na Toscana, 11 de maio de 2011, foi passado na cidade de Siena, a 1h de trem de Florença. Dá para ir de trem ou de ônibus para Siena, mas como a gente já tinha passado muito perrengue em trem na Toscana, resolvemos ir de ônibus. A rodoviária de Florença fica ao lado da estação de trem Santa Maria Novella, e os bilhetes são vendidos lá mesmo. Compramos na véspera. A passagem não tem horário marcado, você pode pegar qualquer ônibus naquele dia. Só fique atento para pegar o “ônibus rápido”, que vai pela autoestrada.

Nós pegamos o de 10h10 e chegamos às 11h30 (tinha um engarrafamentozinho que nos atrasou 15 minutos na entrada de Siena). A passagem custa 7,10 euros por trecho, por pessoa. Abaixo, escaneei o quadro de horários dos ônibus (da empresa Sita, que, pelo que eu entendi, é a única empresa rodoviária da Itália).

Horários de ônibus entre Florença e Siena

O ônibus deixa você pertinho da entrada do Centro antigo de Siena (a estação de trem não é tão perto do Centro). Bastou caminhar uns 15 minutos e chegamos no Duomo de Siena, que é belíssimo. Por fora, chamam a atenção as gárgulas (me lembrei da Catedral de Notredame, em Paris) e uma estátua com uma loba e duas crianças. Por dentro, é maravilhoso ver o piso cheio de desenhos repletos de significados. Dentro do Duomo, alugamos um audioguia que tinha informações sobre todos os pontos turísticos da cidade, por 12 euros, que valeu muito a pena. Imperdível!!!!

O Duomo de Siena. Foto: Marcelle Ribeiro

O Duomo de Siena. Foto: Guilherme Calil

Detalhe da Catedral de Siena. Foto: Marcelle Ribeiro

Detalhe da Catedral de Siena. Foto: Marcelle Ribeiro

Depois, entramos no Batistério, que é um anexo do Duomo, e é bem bonito também, com uma pia batismal linda. Fomos ainda na Cripta, que também faz parte do complexo do Duomo, mas é a maior roubada, porque não tem nada lá dentro para ver, só uns restos de pilastras…

Não quisemos entrar no Museo do Duomo, porque não nos interessamos. Não entramos no Campanário porque já íamos subir as escadas da Torre del Mangia, outra atração de Siena (e basta uma sessão de degraus por cidade, né?).

É bom você avaliar antes o que vai querer ver nesse complexo do Duomo para escolher o melhor tíquete a comprar. A entrada no Duomo (a catedral) custa 3 euros. A da cripta custa 6 euros. O Batistério custa 3 euros. Nós compramos o bilhete “Opa Pass” (na entrada do Museo), que dá direito a ver o museu, o batistério, a catedral, a cripta, e ainda o oratório e o Panorama por 10 euros.

Depois de ver essa parte de Siena, andamos um pouco e já chegamos na famosíssima Piazza del Campo. É uma praça super diferente, que fica no meio de 17 paróquias. Tem um formato de leque e é inclinada. Numa ponta dela, está a Fonte Gaia, e na outra o Palazzo Pubblico (a prefeitura de Siena) e a Torre del Mangia.

A Piazza del Campo, com a Torre del Mangia e o Palazzo Pubblico. Foto: Marcelle Ribeiro

A Piazza del Campo, com a Torre del Mangia e o Palazzo Pubblico. Foto: Marcelle Ribeiro

Almoçamos na praça (não curtimos muito a comida) e depois de um sorvete, criamos coragem e subimos os mais de 500 degraus da Torre del Mangia (o bilhete combinado Torre del Mangia + Museo Civico custou 13 euros por pessoa). Toda vez que tenho que subir montes de degraus para ver a vista de uma cidade eu acho que vale a pena. Adoro ver cidades de cima, acho uma recompensa e tanto pelo esforço. E em Siena, não foi diferente.

A vista da Piazza del Campo, com a Fonte Gaia (na metade da subida da Torre del Mangia). Foto: Marcelle Ribeiro

A vista da Piazza del Campo, com a Fonte Gaia. Foto: Marcelle Ribeiro

Porém, o Museo Civico decepcionou. Não tem nada demais lá…
Na volta, foi só pegar o ônibus no mesmo ponto onde saltamos e chegar, sem dificuldades, a Florença.
Saldo de Siena: Imperdível. O Duomo é lindíssimo, a Piazza del Campo é cheia de vida e o visual da Torre del Mangia, vale o sacrifício das escadas.
VEJA A LISTA COM TODOS OS POSTS DA ITÁLIA

Reserve sua hospedagem em Siena pelo Booking clicando aqui e ajude o blog a ganhar uma pequena comissão sem pagar nada a mais! (saiba como funciona essa parceria aqui)

Ao reservar o seu carro pelo portal Rentcars por esse link, você compara preços de várias locadoras, consegue descontos e colabora com o Viciada em Viajar.

Contrate seguro de viagem internacional com desconto na Mondial clicando aqui.

Compartilhar este artigo:
Publicado por Marcelle Ribeiro

Jornalista, baiana, mas há mais de 20 anos moradora do Rio de Janeiro. Nos seus mais de 30 anos de vida, já viajou sozinha e acompanhada. Casada com o Guilherme, petlover e viciada em pesquisar novos destinos.

Comentários

  1. 21 mar 2012

    Marcelle, seu post nos ajudou muito nos passeios por Siena .
    Fiz um agradecimento à ajuda generosa dos blogueiros lá no meu blog. Passa lá! http://deunstempospraca.blogspot.com.br/2012/03/pedindo-ajuda-aos-univers-ops.html

  2. 22 mar 2012

    Q bom q o meu relato te ajudou, Carmem!
    Tamos aí para o que precisar.
    Abraço,
    Marcelle

  3. victor
    06 jul 2012

    Vc acha que da para ir de onibus ou trem para Poggibonsi-S. Gimignano e seguir de onibus até Siena?

    obrigado pelos posts

  4. 07 jul 2012

    Tiago,

    Se você pegar o ônibus devagar (e não o rápido, que vai pela autoestrada) que sai de Florença às 8h16, chega em Poggibonsi às 9h05. De lá, são 20 minutos até San Gimignano, mas não sei qual a frequência dos ônibus.Supondo que ele passe de hora em hora, você chegaria em San Gimignano às 10h30. EM 2h30 você almoça e visita a cidade. Sai de lá por volta das 13h, pega o onibus das 13h30 e as 14h15 está em Siena.
    Conclusão: acho que dá sim, mas confirme os horários dos ônibus na estação rodoviária de Florença, ok?
    Abs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *