Rio de Janeiro: Roteiro para passeio na região da Praça Mauá

postado por Marcelle Ribeiro em 13/04/2017 - Atualizado em: 06/11/2017
Compartilhar este artigo:

Que o Rio de Janeiro é muito mais que praia, você já sabe, né? Desde meados de 2016, a cidade viu se fortalecer um novo pólo de entretenimento que atrai turistas e cariocas: a região da Praça Mauá, na área central da capital. Coladinha no “centrão” do Rio, a região da Praça Mauá tem novos e atraentes museus, além de uma orla revitalizada, aquário e várias opções de comidinhas. Programa perfeito para uma tarde. Ou até para um dia inteiro, se você quiser emendar com algumas atrações do “centrão”.

Vou começar as sugestões por um dos extremos, o AquaRio, pois recomendo que você compre seus ingressos antecipados. Mas esse roteiro pode ser feito começando também pelo finzinho do “centrão”, ok? Ah, faça tudo a pé ou com transporte público, ok?

 

1 – Veja os peixes, arraias e tubarões do AquaRio

Maior aquário marinho da América do Sul, o AquaRio vale a visita. Tem um monte de espécies diferentes, como crustáceos super esquisitões. O mais bacana é o tanque enorme onde ficam os tubarões e arraias de todos os tipos. Você pode passar por dentro de um túnel que fica abaixo desse tanque. É de cair o queixo. Há também diversos peixes coloridos (até o Nemo!), águas-vivas e tanques onde você pode tocar arraias e estrelas-do-mar (mas saiba que para os tanques “de toque” há uma fila considerável). Eu adorei o aquário do Rio e olha que eu já tinha ido no de San Francisco e no de Monterey, na Califórnia. Os americanos são bem maiores, é verdade, mas o carioca também encanta, mesmo os adultos.

 

AquaRio, o aquário do Rio de Janeiro. Foto: Marcelle Ribeiro.

AquaRio, o aquário do Rio de Janeiro. Foto: Ana Luísa Duboc.

AquaRio, o aquário do Rio de Janeiro. Foto: Marcelle Ribeiro.

AquaRio, o aquário do Rio de Janeiro. Foto: Marcelle Ribeiro.

AquaRio, o aquário do Rio de Janeiro. Foto: Marcelle Ribeiro.

AquaRio, o aquário do Rio de Janeiro. Foto: Ana Luísa Duboc.

AquaRio, o aquário do Rio de Janeiro. Foto: Marcelle Ribeiro.

AquaRio, o aquário do Rio de Janeiro. Foto: Ana Luísa Duboc.

AquaRio, o aquário do Rio de Janeiro. Foto: Marcelle Ribeiro.

AquaRio, o aquário do Rio de Janeiro. Foto: Ana Luísa Duboc.

Como é uma atração disputada, vale a pena comprar seus ingressos para o aquário com antecedência pelo site. Os ingressos custam R$ 80 (adultos), R$ 60 (moradores do estado do Rio de Janeiro ou pessoas nascidas no estado, com comprovante), R$ 40 (crianças de 3 a 11 anos, maiores de 60 anos, estudantes, jovens de 12 a 21 anos e pessoas com deficiência). O AquaRio funciona todos os dias, das 10h às 18h (você pode entrar até às 17h), mas o tanque de toque não funciona aos sábados, domingos e feriados, ok? Reserve entre 1h e 1h30 para o passeio. Se quiser conhecer os tanques de toque, acrescente uns 40 min.

 

Procurando hospedagem no Rio de Janeiro? Veja as opções no Booking.com e ajude o blog.

 

Não há metrô pertinho do aquário. Para ir de transporte público, você pode pegar um metrô até as estações Carioca ou Cinelândia e, em uma delas, pegar o VLT (que é o trem urbano do Rio, novinho e moderno, mas que anda devagar). No VLT, pegue a linha 1 no sentido Rodoviária/ Praia Formosa, e desça na estação Utopia/ AquaRio, que fica a 200m do aquário. Para usar o VLT, você tem que ter o cartão próprio, que é vendido nas máquinas de autoatendimento das estações de VLT. O cartão custa R$ 3 e você tem que pagar, também, os R$ 3,80 da passagem. Cada passageiro tem que ter o seu próprio cartão.

 

Ponto do VLT do Rio de Janeiro na região da Praça Mauá. Foto: Marcelle Ribeiro.

Ponto do VLT do Rio de Janeiro na região da Praça Mauá. Foto: Marcelle Ribeiro.

2 – Aprecie grafites gigantes

Saia do aquário caminhando em direção à Praça Mauá e, logo na saída dele, vá apreciando os grafites enormes pintados pelo artista Kobra e outros nos galpões da região. É grátis, é lindo, e é seguro. E a caminhada não é tão longa. Além do mais, basta seguir reto, na mesma rua, que nas Olimpíadas se chamou Boulevard Olímpico e que faz parte da Orla Conde. Do AquaRio até o Museu de Arte do Rio (MAR) são 1,3 km, que você faria em 20 minutos se resistisse à tentação de parar para tirar fotos. Outra coisa bacana é que, acabando os murais, já mais perto da Praça Mauá, você encontra uma mini praça de alimentação com food trucks, mesmo em dias de semana, com várias opções de lanche, como hambúrgueres, tapiocas, doces e otras cositas (mas não espere encontrar nada com cara de “almoço”).

 

Maior mural grafitado do mundo, do Kobra. Foto: Marcelle Ribeiro

Maior mural grafitado do mundo, do Kobra. Foto: Marcelle Ribeiro

Grafite perto do Praça Mauá, no Rio de Janeiro. Foto: Marcelle Ribeiro

Grafite perto do Praça Mauá, no Rio de Janeiro. Foto: Marcelle Ribeiro

 3 – Tire mil fotos na nova Praça Mauá

Tem letreiro gigante com declaração de amor ao Rio (antes era o Rio Cidade Olímpica). Tem banquinhos charmosos em praça para descansar. Tem a vista da Baía de Guanabara desimpedida. Tem food trucks (mais!) gostosos para comer. Tem a fachada incrível do Museu do Amanhã para fotografar. Tem navios enormes ancorados para invejar. E de vez em quando tem até umas bandas tocando samba e choro acústico, sem muvuca. Tudo isso é a Praça Mauá, um lugar super agradável. Tire fotos, sente descanse, faça um lanche. Se for comer, reserve 1h para curtir a praça (se não, 30 min tá bom).

 

Food Trucks e navio na Praça Mauá. Foto: Marcelle Ribeiro.

Food Trucks e navio na Praça Mauá. Foto: Marcelle Ribeiro.

Fachada do Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro. Foto: Marcelle Ribeiro.

Fachada do Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro. Foto: Marcelle Ribeiro.

Letreiro em homenagem à cidade. Foto: Marcelle Ribeiro

Letreiro em homenagem à cidade. Foto: Marcelle Ribeiro

 4 – Visite o Museu de Arte do Rio (MAR)

O Museu do Amanhã tem a fachada mais esquisitona e bonita, mas é no Museu de Arte do Rio, o MAR, que você não pode deixar de entrar. Apesar de a exposição permanente não ser lá essas coisas, tem sempre uma mostra temporária bacana no MAR, principalmente para quem curte fotografia. Outra atração é a vista lá do alto, que rende belas fotos. Reserve 1h30 para conhecer o museu. Ah, lá também tem um restaurante renomado, o Mauá, com uma vista bonita, mas caro.

Endereço: Praça Mauá, 5, no Centro. Da estação do metrô Uruguaiana dá para ir a pé até lá (10 min caminhando). Horário de funcionamento: de terça a domingo, das 10h às 17h. O ingresso custa R$ 20, com meia entrada a R$ 10 para pessoas com até 21 anos, estudantes, cariocas e moradores do Rio. A entrada é grátis todas as terças-feiras e, nos demais dias da semana, para alunos e professores da rede pública, crianças de até 5 anos e pessoas com mais de 60 anos. Se você pretende ir também ao Museu do Amanhã, vale a pena comprar o ingresso-combo, por R$ 32 (inteira) e R$ 16 (meia).

 

Vista do alto do Museu de Arte do Rio (MAR). Foto: Marcelle Ribeiro.

Vista do alto do Museu de Arte do Rio (MAR). Foto: Marcelle Ribeiro.

5 – Fotografe o Museu do Amanhã

Lindo por fora, o Museu do Amanhã rende belas fotos externas. Dê a volta nele, pois na parte de trás tem uma espécie de estrela diferente prateada em uma piscina que vale fotografar. MAs confesso que não curti a parte interna não. A exposição permanente do museu é toda sobre sustentabilidade, meio ambiente, população. Tem muitos alertas sobre as mudanças climáticas e tal. Mas… achei chato. Muita coisa pra ler e pouca para, de fato, ver e interagir. Tem umas projeções também, mas nada demais.

Apesar de eu ter comprado ingresso pelo site (recomendo!!!) e não ter pego fila nenhuma pra entrar, uma vez dentro do museu, tive que pegar 1h de fila para assistir a um vídeo dentro de uma esfera preta. E não achei muito interessante não. Te digo sem medo: você não perde nada se não quiser pegar essa filona.

 

Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro. Foto: Marcelle Ribeiro

Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro. Foto: Marcelle Ribeiro

Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro. Foto: Marcelle Ribeiro

Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro. Foto: Marcelle Ribeiro

Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro. Foto: Marcelle Ribeiro

Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro. Foto: Marcelle Ribeiro

Mas, se você fizer questão de entrar no museu, saiba que os ingressos custam R$ 20 (inteira) ou R$ 10 (meia, para pessoas com até 21 anos, estudantes, moradores do Rio, pessoas nascidas no estado do Rio, pessoas com deficiência e servidores do município do Rio). A entrada é grátis para maiores de 60 anos e menores de 5 anos e professores e alunos da rede pública. Ele funciona de terça a domingo, das 10h às 18h (última entrada às 17h).

 

Quer reservar hotel no Rio e não sabe por onde começar? Veja as opções no Booking.com e ajude o blog.

 

6 – Conheça a Igreja da Candelária e o CCBB

Se você quiser aproveitar a visita à Praça Mauá para conhecer um pedaço do centro do Rio, vale a pena entrar na Igreja da Candelária e no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), que ficam a 5 minutos a pé do Museu do Amanhã. E super perto da estação de metrô da Uruguaiana.

A Candelária é uma das igrejas mais bonitas do Rio, principalmente por dentro, com imponentes estátuas. Já o CCBB é o local onde ficam as exposições temporárias mais bacanas do Rio. Além disso, o prédio é lindo por dentro, com uma bela cúpula. Lá dentro tem também museu de moedas, livraria e um delicioso café.

A Candelária fica na Praça Pio X, no Centro do Rio, e funciona de segunda a sexta-feira das 7h30 às 15h50; aos sábados das 9h às 12h; e aos domingos das 9h às 13h. A entrada é grátis.

Já o CCBB fica na Rua Primeiro de Março, 66, também no Centro, e funciona de quarta a segunda, das 9h às 21h. A entrada é gratuita.

 

7 – Deu fome? Veja onde comer na região

Com tantas atrações numa região só, é provável que você tenha que almoçar por lá. Mas não tenha grandes planos para esse almoço se você for em um final de semana. No Centro do Rio, há muitas opções de restaurantes em dias de semana, especialmente nas ruazinhas menores (nas maiores avenidas não há). Mas eles fecham no final de semana.

Já na região da Praça Mauá mesmo, não há quase nenhum restaurante para almoço, mesmo em dias de semana.

A dica então é se programar para almoçar perto da Candelária, CCBB ou no caminho destas duas atrações para a Praça Mauá. Na Avenida Rio Branco nº 1 (que fica bem pertinho da Praça Mauá), há um restaurante de comida a quilo e um Spoleto (massas em estilo fastfood italiano) que abrem em dias de semana e também aos sábados.

A uma quadra dali, na Avenida Rio Branco 19, tem o Mironga, que serve a la carte, mas onde os pratos individuais custam a partir de R$ 40. Funciona às segundas de 12h às 15h30, de terça a sexta de 11h30 às 16h30, e aos sábados, domingos e feriados de 12h às 17h30.

Outro restaurante ali pertinho é o Cine Botequim,  que fica na Rua Conselheiro Saraiva, 39. Só funciona de segunda a sexta, das 11 às 23h. Tem pratos executivos a R$ 30.

Na Praça Mauá, o Museu de Arte do Rio (MAR) tem um restaurante mais chiquinho e carinho no terraço, chamado Mauá. Não conheço, mas é elogiado pela crítica. Abre de terça a domingo, das 12h Às 18h.

Dentro do AquaRio não havia opções de refeições quando eu fui, apenas de lanches.

Mais escondidinho e com um excelente custo-benefício, o Delírio Tropical é uma excelente pedida para quem quer comer mais saudável, com saladas e algumas opções de pratos quentes a um preço bem em conta. Vá na unidade da Rua Teófilo Otoni, 87 (uma travessa da Avenida Rio Branco, no caminho pra Praça Mauá). Mas ela só abre de segunda a sexta, das 7h30 às 16h. Espere gastar entre R$20 e R$ 35 por pessoa.

 

Reserve sua hospedagem no Rio de Janeiro pelo Booking clicando aqui e ajude o blog a ganhar uma pequena comissão sem pagar nada a mais! (saiba como funciona essa parceria aqui)

Ao reservar o seu carro pelo portal Rentcars por esse link, você compara preços de várias locadoras, consegue descontos e colabora com o Viciada em Viajar.

 

Leia também:

Outra sugestão de roteiro a pé no Centro do Rio de Janeiro

Rio de Janeiro: onde ficar e como andar de transporte público

Veja todas as dicas de viagem no Rio de Janeiro

Compartilhar este artigo:
Publicado por Marcelle Ribeiro

Jornalista, baiana, mas há mais de 20 anos moradora do Rio de Janeiro. Nos seus mais de 30 anos de vida, já viajou sozinha e acompanhada. Casada com o Guilherme, petlover e viciada em pesquisar novos destinos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *